Após greve, alunos de Minas devem ter aulas até março de 2012

A maior greve da história do Estado durou 113 dias. Aulas voltam nesta quinta-feira (29)

Denise Motta, iG Minas Gerais |

O ano letivo de 2011 nas escolas que tiveram greve em Minas Gerais deve se estender até março de 2012. A informação é do governador Antonio Anastasia (PSDB) que, nesta quarta (28), concedeu uma entrevista à imprensa para falar sobre o fim da maior greve da história do Estado, que durou 113 dias. Os professores votaram pelo fim da greve na noite de terça (27), após negociação com o governo intermediada por deputados estaduais de oposição ao executivo. Os docentes voltarão às salas de aulas a partir desta quinta (29).

Leia também: Professores estaduais de Minas suspendem greve

“Lamentavelmente, já que o número letivo de aulas que nós não tivemos foi relativamente alto, nós vamos entrar até o início de março naquelas que foram totalmente paralisadas durante todo o tempo, o que é um número pequeno. Naquelas que tiveram paralisação parcial vai ser feita uma compensação”, disse o governador. A secretaria estadual de Educação informou na semana passada que haverá aulas aos sábados para reposição dos dias perdidos durante a greve.

Mais de 30 profissionais de educação de Minas Gerais envolvidos na maior greve da história do Estado perderam  seus cargos. A informação foi dada pelo governador Antonio Anastasia. Segundo ele, foram dispensados dois diretores e 30 vice-diretores cujos cargos eram de livre nomeação. O tucano afirmou ainda que foram suspensos processos administrativos envolvendo cerca de 250 professores designados, ou seja, que não são concursados e portanto não têm estabilidade na carreira. Em entrevista coletiva sobre o fim da greve, o governador também disse que os salários dos professores serão pagos quando as aulas forem repostas.

“A exoneração de grevistas não houve. Nós tivemos a exoneração de cargos em comissão que não é cargo efetivo, mas cargo de confiança. Nenhum professor efetivo nem contratado, nenhum deles foi dispensado”, afirmou Anastasia.

    Leia tudo sobre: greve de professoresminas gerais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG