Antiesquerda, novo diretório da UnB defende polícia no campus

Chapa apoiada por conservadores teve como bandeira de campanha mais policiamento dentro da universidade

Adriano Ceolin, iG Brasília |

Na Universidade de Brasília (UnB) , a chapa 8 que venceu a disputa pelo comando do Diretório Central de Estudantes (DCE) nesta quinta-feira teve como uma de suas principais propostas de campanha “defender o policiamento no campus, visando a melhorar a segurança da comunidade universitária”. É o oposto do que querem os estudantes da Universidade de São Paulo (USP ).

Chamado de “Aliança pela Liberdade”, grupo se diz “antiesquerda” e apartidário. No entanto, contou com o apoio de simpatizantes do DEM, do PSDB e de um blog com o nome de “Juventude Conservadora da UnB”. Além do policiamento dentro do campus, a chapa defendeu parcerias público-privadas na realização de pesquisas acadêmicas.

Até pelo site da UnB, a vitória da “Aliança pela Liberdade” foi considerada “surpreendente” e, de certo modo, “histórica”. Isso porque a chapa 8 enfrentou outros sete grupos com forte vinculação com partidos de esquerda. Desde a redemocratização do Brasil, nenhum grupo anti-esquerda havia vencido uma eleição dentro da UnB.

Por conta disso, alguns representantes dos grupos ligados a PT, PSTU e PSOL passaram a rotulá-la como “chapa de direita”. Fundador do grupo “Aliança pela Liberdade” em 2009, o estudante de Direito André Maia, 26 anos, ressalta: “Não somos direita. Somos não-esquerda. Não temos pauta de política regional ou nacional”.

Maia afirma que nenhum dos 27 integrantes da chapa do DCE tem filiação partidária. Ele conta que, durante a formação do grupo, foi descoberto um estudante que havia omitido ser filiado ao DEM. “Ele tinha sido candidato a deputado federal por Goiás. Nós o expulsamos do grupo”, diz. Maia, porém, afirma não negar apoio. “Aposto que teve gente do PT que votou na gente”.

O estudante de Direito conta que “a polícia dentro do campus” será uma das prioridades do grupo. "Fomos o único grupo pediu mais polícia. Tem muito assalto, roubo e estupro dentro da UnB”, diz Maia. “Não entendo por que os grupos de esquerda querem a polícia fora. Eles entendem que a polícia ameaça. Acho que esta é uma postura ideológica”, completa.

Junto com Maia, o estudante de Engenharia Civil Pedro Ivo Santana é um dos representantes da chapa 8. Ele também prega o caráter apartidário do grupo, mas diz que, pessoalmente, é “um conservador social”. “Sou católico apostólico romano, mas o grupo aceita todos que querem uma universidade melhor e luta pelas minorias”, diz.

Um blog chamado “Juventude Conservadora da UnB” apoiou e depois comemorou a vitória da chapa “Aliança pela Liberdade”. O dono do blog é o estudante Felipe Azevedo Melo, de 25 anos. Na texto de apresentação “Quem sou Eu”, ele afirma ter sido militante de esquerda antes de entrar na UnB, mas acabou se decepcionando e hoje é um conservador.

    Leia tudo sobre: USPUniversidade BrasíliaConservador

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG