Ano letivo da Universidade Aberta do Brasil começa em Moçambique

Parceria feita em 2010 pretende dar diploma de curso superior aos professores da rede pública do país africano

Agência Brasil |

Começou nesse fim de semana o ano letivo da Universidade Aberta do Brasil (UAB) na África. São 630 alunos matriculados em Moçambique, nas cidades de Maputo (capital do país), Lichinga e Beira. O objetivo principal da universidade é dar diploma de curso superior aos professores do ensino público moçambicano.

A UAB, projeto que chegou à África no ano passado, funciona com metodologia desenvolvida por quatro universidades brasileiras: as federais de Juiz de Fora (UFJF), Goiás (UFG), do Rio de Janeiro (UFRJ) e Fluminense (UFF). Quem se forma recebe dois diplomas, o brasileiro e o moçambicano. “Isso vai facilitar a aspiração de muitos deles que é, depois, fazer uma pós-graduação no Brasil”, disse Oreste Preti, coordenador do projeto.

Muitos dos professores-alunos vivem longe dos polos onde as aulas são ministradas. Alguns chegam a viajar até 700 quilômetros todo fim de semana. Apesar das dificuldades, a baixa evasão surpreendeu os brasileiros que chefiam o projeto. Menos de 10% dos alunos não concluíram o período letivo no ano passado. “Os que abandonam é porque não têm os pré-requisitos necessários, têm diploma de equivalência do ensino médio, mas só fizeram mesmo o nível básico. Aí, não têm capacidade para continuar com um curso superior de matemática ou biologia”, explicou. Além desses dois cursos, a UAB oferece ainda graduação em administração pública e metodologia do ensino básico.

No ano que vem, a expectativa é que mais três cidades moçambicanas recebam polos da UAB: Tete, Nampula e Kelimani. Até 2014, a expectativa é que sejam abertas mais 3 mil vagas em Moçambique.

    Leia tudo sobre: ensino a distânciauniversidade abertauabmec

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG