Aluno de 17 anos começa mestrado na UFSCar

Quatorze anos. Acordar, tomar café da manhã, ir à escola, voltar para casa, almoçar, ir ao inglês, voltar para casa, fazer lição e trabalhos, ficar na internet, jantar, ficar na internet mais um pouco, dormir e, enfim, começar tudo outra vez. Essa é a rotina normal de grande maioria dos estudantes de 14 anos, mas para Aldo Vieira Pinto, as coisas foram um pouco diferentes.

Carla Sasso Laki |

Aos 14 anos Aldo ingressou na faculdade e fez sua graduação em Matemática na Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac). O estudante prodígio concluiu o curso em três anos e agora, em 2008, aos 17 anos, ele começou seu mestrado em Matemática na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Aldo conta que, no início, chegou a pensar em fazer Biologia, mas a Matemática o conquistou e diz que seu projeto agora é fazer um bom curso. Quero concluir o mestrado, me dedicar bastante ao curso e, mais para frente, continuar na carreira acadêmica...fazer um doutorado. Mas meu foco agora é o mestrado.

Mas como ele conseguiu entrar no mestrado aos 17 anos?

O estudante adiantou os dois primeiros anos do ensino fundamental. Comecei o ensino básico normalmente e como após seis meses na primeira série já estava alfabetizado e já tinha os conhecimentos necessários, os psicopedagogos da escola fizeram alguns testes para saber se eu estava apto para ir à série seguinte. Por isso, fiz as duas primeiras séries em um ano. No ensino fundamental, fiquei um mês na quinta série e, após algumas avaliações, segui para a série seguinte e o mesmo aconteceu nos primeiros anos do colégio. Com 14 anos ingressei no curso de Matemática, adiantei algumas disciplinas com orientação da coordenação de curso da universidade e concluí a graduação em três anos", explica.

A família de Aldo sempre o apoiou desde que perceberam sua facilidade de aprendizado, assim como o colégio em que estudou e seus amigos. Questionado sobre o nível de Q.I, o estudante afirma que nunca fez.

Nunca foi minha maior preocupação. Os professores sempre perceberam que eu tinha facilidade de aprender. Cheguei onde estou não só pela minha facilidade, mas envolve muita dedicação. Tanto minha, quanto de quem estava a minha volta. Quis fugir de estereótipos, que nem sempre acabam trazendo coisas positivas, finaliza.

Leia mais sobre: Gênios - UFSCar - Matemática  - mestrado

    Leia tudo sobre: gêniosmatemáticamestrado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG