Com seis dias entre os exames, os estudantes devem aproveitar o período para descansar e revisar conteúdos de ciências da natureza e matemática

Enem: com mudanças, os candidatos tem agora um intervalo de seis dias entre um dia e outro de prova
Creative Commons/Wikipedia
Enem: com mudanças, os candidatos tem agora um intervalo de seis dias entre um dia e outro de prova

primeiro dia da prova do Enem já passou e, diferente dos anos anteriores, agora os candidatos têm à frente seis dias antes de encarar mais quatro horas e meia de exame com questões de ciências da natureza e matemática. Se você é estudante e realizou o primeiro teste, pode estar se perguntando agora o que deve fazer nesse intervalo entre um domingo e outro? O que é melhor? Por isso, o  iG conversou com especialistas e professores e reuniu as melhores dicas para o estudante chegar com tudo no próximo dia 12. 

Antes de mais nada, a dica é: não fique 'remoendo' o que passou e tente se desprender dos detalhes da primeira prova. Assim, por exemplo, se você acha que não se saiu bem no primeiro dia do Enem , se chegou atrasado e quase viu o portão se fechando sem você do lado de dentro... 'Desencana' e 'bola pra frente'. É o que defende o diretor pedagógico do Colégio Stockler, de São Paulo, Almir Bunduki.  “Não se prenda aos erros agora”, enfatiza. 

Agora, se existe uma orientação unânime entre os especialistas consultados pela reportagem, é a importância de descansar e manter uma rotina de estudos. O ideal é separar no máximo oito horas diárias para rever os conteúdos de ciências da natureza e matemática. “O aluno pode, por exemplo, estudar 2 horas de biologia, 2 horas de física, 2 horas de química e 2 horas de matemática”, aconselha Vinicius de Carvalho Haidar, coordenador do Curso Poliedro. 

No entanto, mesmo sendo interessante retomar conteúdos, é recomendado que o candidato não tente aprender algo novo. “A ideia é que ele possa focar naquilo em que ainda sente fragilidade”, explica a coordenadora educacional de sistemas de ensino da FTD Educação, Ana Paula  Xavier.

Para tanto, o professor do Grupo Etapa, Marcelo Dias Carvalho, indica que o estudante responda às provas dos anos anteriores , fazendo um relatório de erros e revisando os tópicos que mais caem e os que mais lhe causam dúvidas. “Podem ser questões que exijam interpretação e até aquelas mais lúdicas. Então, resolver os dois últimos anos e ver onde você mais erra [pode ajudar], também vale observar se são erros só por distração ou não”, elucida Carvalho.

Cuidados com a saúde

Dormir bem, evitar experimentar novos alimentos e fazer atividades para relaxar são alguns dos cuidados básicos que os estudantes devem tomar nesse período entre provas. Os especialistas ainda recomendam que os candidatos evitem praticar esportes muito pesados, para não correrem o risco de se machucar.

“A distância [entre as provas] é relativamente grande, podem acontecer tantas coisas nesse intervalo de seis dias, que a família também deve dar apoio para que não aconteça nada que possa fazer o aluno desistir de realizar o exame”, defende o diretor do Cursinho da Poli, Gilberto Alvarez.

Leia também: Maioria dos participantes desta edição já concluiu o ensino médio

Professores consideram o intervalo entre as provas positivos para os alunos poderem descansar e diminuir o estresse
shutterstock/Reprodução
Professores consideram o intervalo entre as provas positivos para os alunos poderem descansar e diminuir o estresse

Para Alvarez, a principal vantagem do intervalo de seis dias é a chance de o aluno descansar, portanto, deve-se tomar cuidado com o planejamento, não correndo o risco de estudar demais e, como consequência, acabar se estressando.

Haidar também lembra que a ansiedade fica mais alta nesse período e  “pode mexer com o emocional”  do aluno. Porém, ele afirma que os dois dias seguidos de prova eram mais cansativos, por isso, tal mudança deve ser encarada com bons olhos. 

“Quando se tem um fim de semana para fazer tudo, o cansaço, o esgotamento mental e a ansiedade acabavam sendo algo muito 'pesado' para um adolescente. Então, esse intervalo dá uma oportunidade de o aluno fazer a segunda prova em um novo dia”, aponta a coordenadora educacional da FTD.

No dia da prova

Conforme o indicado em todas as situações de provas , os professores lembram que os alunos devem se atentar ao horário e rever a lista do que levar ou não para sua realização.

Durante o exame, as dicas são, em um primeiro momento, ler toda a prova e fazer as questões mais fáceis. Depois, passar para as 'intermediárias', deixando as mais difíceis para o final. Também é essencial reservar um tempo para o preenchimento do gabarito com calma e atenção. “Se bater o nervosismo, dê uma parada, vá ao banheiro. Assim, a concentração voltará”, aconselha o coordenador do Curso Poliedro.

Leia também: Brasil pode demorar 76 anos para adequar nível de leitura de todos os alunos

Bunduki, que além de diretor pedagógico do Colégio Stockler também é professor de matemática, ainda dá uma dica 'final' para o segundo dia: “as questões do exame exigem mais raciocínio lógico, análise... são questões que envolvem gráficos, razão e proporção, probabilidade. Então, se o candidato perceber que está fazendo muitos cálculos, usando muita tabuada e a continha está ficando muito longa, pode parar porque haverá algo errado”. Com as orientações dos especialistas e muito foco, é muito mais fácil ter um desempenho melhor no Enem 2017. Boa sorte e boa prova!

    Leia tudo sobre: Enem
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.