Tamanho do texto

Segundo o MEC (Ministério da Educação), é o segundo percentual mais alto desde que o monitoramento começou a ser feito pela pasta, em 2007

Monitoramento é feito com mais de 15,2 milhões de crianças e adolescentes de famílias beneficiárias do Bolsa Família
Suami Dias/GOVBA
Monitoramento é feito com mais de 15,2 milhões de crianças e adolescentes de famílias beneficiárias do Bolsa Família

Dados divulgados pelo governo federal informam que a frequência escolar dos estudantes beneficiários do Bolsa Família chegou a 87,47% entre junho e julho. O monitoramento é feito com mais de 15,2 milhões de crianças e adolescentes na faixa de 6 a 17 anos.

Leia também: Menos da metade dos brasileiros de 18 anos estão no ensino médio ou superior

De acordo com o governo, é o segundo maior percentual desde que a frequência escolar de beneficiários do Bolsa Família começou a ser acompanhada, em 2007 — o maior índice foi registrado em junho e julho de 2014, quando chegou a 88,61%. Os estados do Espírito Santo, São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Tocantins, Santa Catarina e Rondônia tiveram percentuais ainda maiores que a média nacional neste bimestre, com mais de 90%.

Entre as capitais, Porto Alegre, Teresina, Palmas e São Paulo apresentaram melhor média de informação da frequência escolar, acima de 97%. O MEC (Ministério da Educação) vai repassar todas essas informações ao MDS (Ministério do Desenvolvimento Social), gestor do programa.

O diretor de políticas de educação em direitos humanos e cidadania da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do MEC, Daniel Ximenes, afirma que o percentual de quase 90% de frequência escolar entre os estudantes acompanhados é resultado do trabalho de aproximação da pasta com os gestores e profissionais da educação.

Leia também: MEC anuncia repasse de R$ 1 bilhão para universidades e institutos federais

“Quando assumimos [o MEC], o resultado estava em torno de 84%”, relata. “Nós estamos tendo um trabalho de recuperação da rede, o contato com os coordenadores estaduais em todo o Brasil, orientações e atividades de formação. Nossa diretoria vem fazendo um trabalho de muita aproximação para que consigamos o resultado na ordem de quase 90%. O resultado fortalece o acompanhamento de rede.”

O acompanhamento é realizado em cinco períodos bimestrais ao longo do ano. À frente desse trabalho, o MEC atua em parceria com cerca de 50 mil coordenadores municipais e estaduais, além de auxiliares da área educacional. Esses agentes recolhem as informações sobre a frequência escolar e registram no Sistema Presença.

Condicionalidades

Uma das condições que as famílias devem cumprir para receber o benefício é manter o percentual mínimo de 85% de frequência escolar para crianças e adolescentes com idades de 6 a 15 anos e de 75% para jovens de 16 e 17 anos.

Leia também: Comissão na Câmara aprova expansão do Prouni para cursos de pós-graduação

”Grande parte dessas famílias [beneficiárias do Bolsa Família] é de pais analfabetos ou semianalfabetos”, explica Ximenes. “Então, não se pode ter em hipótese alguma uma característica punitiva. São famílias que precisam do apoio do Estado para que as próximas gerações tenham melhores condições de escolarização. Muitas vezes, as crianças dessas famílias repetem ou abandonam, desistem da escola. Todos têm que ter uma trajetória escolar regular, e essa iniciativa apoia, nesse sentido, visando ao acesso e à permanência na escola.”