Mudanças no ensino médio foram sancionadas nesta quinta-feira e devem ser implantadas em todo o País até 2019, segundo ministro da Educação

Presidente Michel Temer sanciona a reforma do ensino médio, em cerimônia no Palácio do Planalto
Antonio Cruz/Agência Brasil - 16.2.17
Presidente Michel Temer sanciona a reforma do ensino médio, em cerimônia no Palácio do Planalto

O presidente Michel Temer sancionou a reforma do ensino médio nesta quinta-feira  (16), em cerimônia no Palácio do Planalto. Durante o evento, o presidente disse que, a exemplo das outras reformas, a reformulação do ensino médio só foi possível graças à "ousadia" do governo e classificou como "saudável" a polêmica provocada pelo projeto.

Segundo o presidente, a sanção da medida provisória da reforma do ensino médio representa um “momento revelador" de seu governo, "com ousadias responsáveis e necessárias para que o país possa crescer e prosperar”.

Temer acrescentou que as discussões em torno da matéria acabaram por aperfeiçoá-la. “Temos enviado propostas que geram saudável polêmica. A polêmica, crítica portanto, gera aperfeiçoamento. Certa e seguramente, algumas modificações feitas pelo Congresso Nacional foram feitas pela sociedade. Acabou, então, saindo uma coisa consensual.”

+ "Lavagem cerebral" ou "Lei da Mordaça": Escola Sem Partido divide opiniões

“Estamos ousando. Quem ousaria fazer um teto para os gastos públicos? Seria muito fácil o presidente chegar e gastar à vontade sem se preocupar com as reformas fundamentais, ou seja com o país no futuro. Não estamos fazendo isso. Propor o teto foi uma ousadia muito bem-sucedida. Agora, a do ensino médio”, acrescentou.

Em seu discurso, o ministro da Educação, Mendonça Filho, disse que a MP representa “a mais estrutural mudança na educação pública do Brasil”, que demorou mais de 20 anos para ser implementada. “Debate houve [ao longo desse período]. O que não existia na prática era vontade e decisão política de fazer avançar”, disse Mendonça, ao lembrar que há no país 2 milhões de jovens excluídos da educação, em um total de 8 milhões. "É consensual, no meio, a necessidade de mudanças."

Mudanças a partir de 2019

De acordo com o ministro da Educação, as mudanças devem ser implementadas em todo o País a partir de 2019. “Há prazos para os estados se adequarem a essa realidade. A base [Base Nacional Comum Curricular] só estará concluída até o final de 2017. Não poderíamos exigir a implementação plena pelos estados em 2018. Então, isso será feito com mais profundidade só em 2019”, disse.

Entre as principais mudanças estão a flexibilização curricular, a ampliação da carga horária e a formação técnica dentro da grade do ensino médio. O próximo passo a ser dado é implantar a Base Nacional Comum Curricular que, atualmente, está sendo elaborada por um comitê presidido pelo Ministério da Educação.

+ Obrigado a recuar de PEC escandalosa, Jucá mostra face repugnante da política

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.