Ensino superior privado encaminha ao MEC proposta de aperfeiçoamento do Fies

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo diretor executivo do Semesp, o chamado Fies 2.0 seria o caminho para as faculdades retomarem suas atividades, sem as condições de financiamento estabelecidas pelo MEC

Agência Brasil

As faculdades particulares de todo o país vão encaminhar ao Ministério da Educação (MEC), na próxima semana, uma proposta de aprimoramento do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), denominada Fies 2.0. O estudo foi apresentado no 8º Congresso Brasileiro de Ensino Superior Particular (CBESP), que ocorre desde ontem (14), no Rio de Janeiro.

Segundo o diretor executivo do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp), Rodrigo Capelato, o Fies 2.0 seria o caminho para as faculdades brasileiras retomarem suas atividades, sem as condições de financiamento estudantil estabelecidas pelo MEC até o final do ano passado. Ele considera que o Fies é um programa de êxito e importante, sendo fundamental garantir sua continuidade e sobrevivência.

"O grande problema é que os ajustes apontados pelo setor privado há mais de um ano, chegaram de forma bastante abrupta, sem planejamento. “O Fies 2.0 aborda os ajustes que deveriam ser efetuados. Da forma como vinha sendo oferecido, o programa acabava com a lógica de mercado, que faz com que, se existe concorrência, os preços se tornam mais competitivos”, afirmou.

Leia mais: Veja quais são os principais problemas da educação no Brasil

ALFABETIZAÇÃO AOS 8 ANOS- Na prova realizada em 2012, apenas 44,5% das crianças do 3° ano mostravam alfabetização adequada na leitura. Foto: Getty ImagesFORA DA ESCOLA - Brasil ainda tem 3,8 milhões de brasileiros entre 4 e 17 anos fora da escola. Foto: Thinkstock/Getty ImagesENSINO DE MÁ QUALIDADE - No Brasil, mais de 90% dos estudantes terminaram o ensino médio em 2013 sem o aprendizado adequado em matemática. Foto: Thinkstock/Getty ImagesREPETÊNCIA E EVASÃO - Com baixa qualidade de ensino, estudantes repetem de ano e abandonam a escola. Metade dos alunos não concluem o ensino médio até os 19 anos. Foto: A2 Fotografia/José Luis da Conceição/DivulgaçãoPROBLEMAS NA ESCRITA - No Enem de 2014, 529 mil estudantes brasileiros tiraram zero na redação. O tema era Publicidade Infantil. Foto: Marcos Santos/USP ImagensPROFESSORES TEMPORÁRIOS - 1 em cada 4 professores da rede pública do País é temporário, segundo estudo do Ipea. Assim, os professores não têm direitos trabalhistas completos e tampouco dedicação total ao trabalho. Foto: Divulgação/A2 Fotografia/Eduardo AmorimQUALIFICAÇÃO - 1 a cada 4 professores da educação básica no Brasil não tem diploma de ensino superior. Foto: Pedro Ribas/ ANPrMUITOS ALUNOS POR SALA - Na rede estadual de São Paulo, as aulas começaram em 2015 com turmas superlotadas. Apesar do limite de 40 alunos, salas tinham até 85 matrículas. Foto: Cristiane Capuchinho/iGVIOLÊNCIA - A violência no entorno das escolas também atinge as salas de aula. Escolas públicas por vezes têm de lidar com roubo de materiais e até de merenda. Foto: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DO RIO DE JANEIROBAIXOS SALÁRIOS - Em 2015, a Lei do Piso subiu o salário para R$ 1.918 por 40 horas de trabalho por semana. Criada em 2008, a lei não é cumprida por 3 redes estaduais: MG, RS e RO. Foto: Arquivo E.E. José FlorentinoFALTA DE INFRAESTRUTURA - Mesmo em SP, um dos Estados mais ricos do País, a rede estadual ainda tem escolas feitas de lata. Foto: Bárbara Libório/iG São PauloENSINO SUPERIOR - Apenas 32,3% dos brasileiros de 18 a 24 anos cursam ou cursaram ensino superior. A meta do PNE é que o índice chegue a 50% em 2024. Foto: Marcos Santos/USPFALTA DINHEIRO -  Dados coletados pelo Pisa 2012 mostram que o Brasil investe US$ 26.765 por estudante entre 6 e 15 anos. A média dos demais países da OCDE é de US$ 83.382. Foto: Agência BrasilFALTAM VAGAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL - Em 2016, todas as crianças de 4 e 5 anos deverão estar matriculadas na escola. Atualmente, 2 em cada 10 estão fora da escola. Foto: Thinkstock Photos


Capelato destacou que há necessidade de os alunos serem informados sobre os cursos disponíveis no mercado e os preços respectivos. “A gente entende que, se fizer um sistema de admissão que seja mais transparente para os alunos, de forma que ele consiga enxergar todo o leque de ofertas e entenda quanto custa aquele curso, volta a ter aquela lógica de mercado dentro do Fies”.

Esse modelo permite ao aluno comparar valores dos diversos cursos oferecidos, além de saber o valor da parcela que terá de pagar. O portal do Programa Universidade para Todos (Prouni) poderia servir de referência para o novo Fies, sugeriu o diretor.

Aliado a isso, o portal deverá conter várias informações de qualidade dos cursos. “Porque também a gente não quer que vire uma guerra de preços, porque senão a qualidade vai lá para baixo”, disse. Entre as informações, a avaliação do curso feita pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep); pesquisas de satisfação de alunos que fizeram o curso; análise do nível de graduação.

As faculdades propõem ainda que se coloque no portal uma taxa de empregabilidade, “porque essa é uma variável importante para o aluno escolher também (o curso)”.
Após discussão entre os participantes do congresso, a proposta será formalizada e enviada ao MEC. O aperfeiçoamento sugerido, sustentou Rodrigo Capelato, é para que o Fies “possa voltar a ter fôlego e não tornar a acontecer o descontrole, devido a algumas instituições, que fez o Fies perder a sua capacidade de financiar os alunos”.

Cerca de 500 lideranças e mantenedores de instituições do ensino superior privado de todo o país participam do congresso, que se encerra nesta sexta-feira. O encontro é promovido pelo Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular e tem como tema central “Brasil: realidade e tendências para educação superior”.

Leia tudo sobre: mecfiesensino superiorfinanciamento estudantiluniversidade

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas