Governo decidirá nas próximas semanas se Fies terá 2ª edição em 2015

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Decisão vai depender da liberação de recursos pelo governo

Agência Brasil

O ministro da Educação, Renato Ribeiro Janine, disse nesta quinta-feira (14) que o governo deverá decidir nas próximas semanas se haverá ou não uma segunda edição do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) este ano. Na semana passada, o Ministério da Educação (MEC) informou que o dinheiro destinado ao financiamento tinha acabado, mas que negocia com o Ministério da Fazenda e com o Palácio do Planalto a disponibilização de mais recursos.

Leia tambémEnem será realizado em 24 e 25 de outubro

O ministro da Educação, Renato Janine, informou que negocia com o Ministério da Fazenda e com o Planalto mais recursos para o FiesValter Campanato/Agência Brasil
"Nos próximos dias quando muito duas, três semanas, a gente deve ter. Nós queremos definir isso logo porque temos que lançar o calendário do Fies logo caso abramos uma segunda edição do Fies este ano", disse o ministro ao ser perguntado sobre o assunto pelos jornalistas. De acordo com Renato Janine, 252 mil novos contratos foram feitos pelos Fies e que 178 mil estudantes que pleiteavam o financiamento ficaram de fora. Apesar disso, o ministro comemorou a taxa de atendimento de mais de 50% que, segundo ele, foi superior a outros programas de acesso ao ensino universitário.

Ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro: ampliação do Fies depende de aval do Planalto
Wilson Dias/Agência Brasil
Ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro: ampliação do Fies depende de aval do Planalto

Renato Ribeiro Janine reafirmou que as instituições reajustaram abusivamente as mensalidades poderão ser excluídas do Fies. "É esse o princípio da coisa", disse. Ele explicou informou que cerca de 140 mil contratos ainda estão pendentes de renovação. "Não foram renovados basicamente porque as instituições não colocaram os estudantes no sistema. Enquanto não estão no sistema, não sabemos se esse aluno continua matriculado, ou se desistiu".

O ministro destacou que o MEC já pressionou as instituições e que tomará “medidas mais fortes” caso as instituições mantenham essa política de reajuste, mas reconheceu que “não é todo reajuste que é abusivo. O ministério considera que os aumentos das mensalidades acima de 6,41% deverão ser justificados pelas instituições.

Leia também: Enem descarta Correios e cobra e-mail de todos os candidatos

O governo assumiu o compromisso com a renovação dos 1,9 milhão de contratos vigentes no Fies. O prazo para que os estudantes acessem o Sistema do Fies é 29 de maio. O fundo oferece cobertura da mensalidade de cursos em instituições privadas de ensino superior a juros de 3,4% ao ano. O estudante começa a quitar o financiamento 18 meses após a conclusão do curso.

Leia tudo sobre: EducaçãoFiesJanineMEC

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas