Escolas públicas do Rio de Janeiro vão oferecer merenda com orgânicos

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Secretário de Segurança Alimentar considera que alimentação saudável nas escolas do Rio será legado de Olimpíadas

Agência Brasil

A merenda das escolas públicas das redes estadual e municipal do Rio de Janeiro vai ser preparada com produtos orgânicos e agroecológicos da agricultura familiar. Esta é uma das ações da campanha Brasil Orgânico e Sustentável, com vistas às Olimpíadas de 2016. A ideia é incentivar a alimentação saudável entre os alunos.

O secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Arnoldo de Campos, informou que o governo do estado e a prefeitura, após levantamento da oferta existente, estão preparando as chamadas públicas para as compras. Campos disse que a intenção é estender a medida às escolas de outras cidades do estado e manter o cardápio saudável como um legado das Olimpíadas. “É um legado. As compras da agricultura familiar, não tem porque parar de comprar. É um aprendizado que o estado vai adquirir e vai servir de referência para o Brasil”.

Escolas da capital fluminense devem começar a oferecer merenda orgânica
Mary Leal / Arquivo/ Ag Brasil
Escolas da capital fluminense devem começar a oferecer merenda orgânica

Segundo o secretário, a campanha será lançada no dia 5 de outubro e prevê outras ações. Uma reunião hoje (7), no Rio de Janeiro, definiu as estratégias dos órgãos envolvidos na promoção da alimentação saudável, entre eles, os ministérios do Desenvolvimento Agrário, da Saúde e do Turismo; a prefeitura do Rio de Janeiro; a Sociedade Nacional de Agricultura; o Instituto Maniva; o Instituto Nacional do Câncer (Inca); o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma); a Agência de Cooperação Alemã; e o Instituto de Defesa do Consumidor.

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 vão ocorrer entre os dias 5 e 21 de agosto. Nesse período, durante dez dias haverá também a instalação de cinco quiosques, chamados de Praças Brasil Orgânico e Sustentável para venda direta de produtos da agricultura familiar e que podem ser usados como área de convivência. Eles serão instalados na Praça São Perpétuo, conhecida como Praça do Ó, na Barra da Tijuca, no Jardim Botânico, no Largo do Machado, na Praça Saens Peña e no centro, onde os organizadores ainda estão definindo se será na Praça 15 ou na região portuária.

“Nós queremos mostrar nas Olimpíadas que o Brasil tem uma riqueza espetacular na área de alimentos com altíssima carga cultural, natural. Os nossos biomas propiciam isso. Essa salada cultural gastronômica vai estar ali. Vai ter a castanha, a farinha d’água da Bahia, o queijo canastra de Minas, por exemplo, o mel do Piauí, o salame do Sul, o pinhão. Esses produtos estarão ali para que o turista possa conhecer um pouquinho dos sabores do Brasil”, ressaltou o secretário.

A experiência dos quiosques vem da Copa do Mundo de 2014, quando os postos para venda direta de produtos da agricultura familiar foram instalados nas cidades-sede do torneio de futebol. Agora, eles serão ampliados com a área de convivência. Nas praças Brasil Orgânico e Sustentável, os produtores terão uma estrutura adequada e vão poder trabalhar com chefes de cozinha para apresentar ao público pratos com combinações possíveis dos produtos.

Na avaliação do Ministério do Turismo, o Rio deve receber durante as Olimpíadas cerca de 350 mil turistas. Campos destacou que os Jogos Olímpicos serão uma excelente oportunidade para juntar a prática de esportes com alimentação saudável. “Não é só mudar o hábito alimentar. É o estilo de vida, é a caminhada, a prática do esporte, o exercício físico. As Olimpíadas vão propiciar um ambiente favorável para essa mensagem se propagar mais rápido”, destacou.

Confira alguns dos problemas da educação básica no Brasil

ALFABETIZAÇÃO AOS 8 ANOS- Na prova realizada em 2012, apenas 44,5% das crianças do 3° ano mostravam alfabetização adequada na leitura. Foto: Getty ImagesFORA DA ESCOLA - Brasil ainda tem 3,8 milhões de brasileiros entre 4 e 17 anos fora da escola. Foto: Thinkstock/Getty ImagesENSINO DE MÁ QUALIDADE - No Brasil, mais de 90% dos estudantes terminaram o ensino médio em 2013 sem o aprendizado adequado em matemática. Foto: Thinkstock/Getty ImagesREPETÊNCIA E EVASÃO - Com baixa qualidade de ensino, estudantes repetem de ano e abandonam a escola. Metade dos alunos não concluem o ensino médio até os 19 anos. Foto: A2 Fotografia/José Luis da Conceição/DivulgaçãoPROBLEMAS NA ESCRITA - No Enem de 2014, 529 mil estudantes brasileiros tiraram zero na redação. O tema era Publicidade Infantil. Foto: Marcos Santos/USP ImagensPROFESSORES TEMPORÁRIOS - 1 em cada 4 professores da rede pública do País é temporário, segundo estudo do Ipea. Assim, os professores não têm direitos trabalhistas completos e tampouco dedicação total ao trabalho. Foto: Divulgação/A2 Fotografia/Eduardo AmorimQUALIFICAÇÃO - 1 a cada 4 professores da educação básica no Brasil não tem diploma de ensino superior. Foto: Pedro Ribas/ ANPrMUITOS ALUNOS POR SALA - Na rede estadual de São Paulo, as aulas começaram em 2015 com turmas superlotadas. Apesar do limite de 40 alunos, salas tinham até 85 matrículas. Foto: Cristiane Capuchinho/iGVIOLÊNCIA - A violência no entorno das escolas também atinge as salas de aula. Escolas públicas por vezes têm de lidar com roubo de materiais e até de merenda. Foto: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DO RIO DE JANEIROBAIXOS SALÁRIOS - Em 2015, a Lei do Piso subiu o salário para R$ 1.918 por 40 horas de trabalho por semana. Criada em 2008, a lei não é cumprida por 3 redes estaduais: MG, RS e RO. Foto: Arquivo E.E. José FlorentinoFALTA DE INFRAESTRUTURA - Mesmo em SP, um dos Estados mais ricos do País, a rede estadual ainda tem escolas feitas de lata. Foto: Bárbara Libório/iG São PauloENSINO SUPERIOR - Apenas 32,3% dos brasileiros de 18 a 24 anos cursam ou cursaram ensino superior. A meta do PNE é que o índice chegue a 50% em 2024. Foto: Marcos Santos/USPFALTA DINHEIRO -  Dados coletados pelo Pisa 2012 mostram que o Brasil investe US$ 26.765 por estudante entre 6 e 15 anos. A média dos demais países da OCDE é de US$ 83.382. Foto: Agência BrasilFALTAM VAGAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL - Em 2016, todas as crianças de 4 e 5 anos deverão estar matriculadas na escola. Atualmente, 2 em cada 10 estão fora da escola. Foto: Thinkstock Photos


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas