Homem é preso em manifestação solidária aos professores em Curitiba

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo a PM, homem tentou agredir um policial que fazia segurança da Assembleia Legislativa e do Palácio do Iguacú

Um dia após confronto entre policiais e professores que deixou ao menos 170 manifestantes e 20 policiais feridos, um homem foi preso na tarde desta quinta-feira (30), em Curitiba, no Paraná. Segundo a Polícia Militar, o homem que não teve a identidade revelada, tentou agredir um policial, que fazia a segurança da Assembleia Legislativa e do Palácio do Iguacú, e foi detido. Ele permanece no 1º DP de Curitiba. 

Leia também: Violência no Paraná é inaceitável, diz secretário de Direitos Humanos

'Sangue' em foto viral de PM após protesto é tinta, afirma Polícia do Paraná

Professores estudam ir à Justiça contra representantes do governo do Paraná

Diferente de ontem, a Polícia Militar do Paraná desfez nesta quinta-feira o cerco em torno da Assembleia Legislativa do Estado e retirou as grades que protegiam o prédio da prefeitura. O número de policiais também foi reduzido. Hoje, cerca de 1 mil manifestantes estão em frente ao Palácio Iguaçu, sede do Executivo estadual.

Na tarde de ontem, os professores protestavam contra a votação, pelos deputados estaduais, de um projeto de lei encaminhado pelo Executivo para alterar a previdência estadual. O projeto foi aprovado.

De acordo com o sindicato que representa a categoria, 14 manifestantes foram presos no confronto de ontem. 

Eles estão em greve desde segunda-feira (27). A direção do sindicato convocou reunião para a próxima terça-feira (5) a fim de definir se continuam ou não em greve. O sindicato marcou para amanhã (1º) um ato público em repúdio à ação da polícia.

Veja fotos do confronte de ontem:

Professor fica ferido em confronto com policia. Foto: SMSC/29.04.15Feridos foram levados a hospitais da região, que ficaram lotados. Foto: SMSC/29.04.15Policiais usaram balas de borracha para conter manifestantes. Foto: SMSC/29.04.15Mais de 100 pessoas ficaram feridas. Foto: SMSC/29.04.15Professores do Paraná e PM entram em confronto no centro de Curitiba (29.4.2015). Foto: Divulgação/APP SindicatoPolícia usou bombas de gás, balas de borracha e jatos de água para dispersar manifestantes. Foto: SMSC/29.04.15PM usou bombas de gás lacrimogênio durante protesto de professores do Paraná (28.4.2015). Foto: Divulgação/APPPM usou bombas de gás lacrimogênio durante protesto de professores do Paraná (28.4.2015). Foto: Divulgação/APP SindicatoProfessores estaduais e PM entram em confronto no centro de Curitiba (29.4.2015). Foto: Divulgação/APP SindicatoApós confronto com PM, professores mantiveram acampamento em frente à Assembleia Legislativa (28.4.2015). Foto: Divulgação/APP SindicatoEm greve, professores do Paraná passam noite em frente à Assembleia Legislativa´(29.4.2015). Foto: Divulgação/APP Sindicato

O Ministério Público do Trabalho do Paraná e o Ministério da Educação divulgaram notas condenando a violência nas manifestações. Para o MEC o “diálogo é o caminho para solucionar os conflitos”.

A Secretaria de Segurança Pública lamentou o episódio, garantindo ter orientado os responsáveis pela operação para evitar a violência e o confronto. Ontem (29), o governador do Paraná, Beto Richa, disse que os policiais reagiram às provocações de algumas pessoas que estavam na praça.

A Polícia Civil informou que 13 pessoas foram presas. “Entre eles, estariam integrantes de movimentos black blocs - que não são professores. Eles, inclusive, foram identificados praticando atos violentos em manifestações anteriores”, afirmou o delegado-geral da Polícia Civil, Júlio Reis.

*Com informações da Agência Brasil

Leia tudo sobre: greve dos professoresParanáGreveprofessores

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas