Vale a pena recompensar bons alunos com dinheiro?

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Para defensores, incentivos associados à formação de docente podem dar bons resultados; contrários argumentam que aluno tem de ter prazer em aprender, independentemente de prêmio

BBC

Até onde uma escola pode ir para motivar seus estudantes a aprender? Nos Estados Unidos, alguns colégios têm recompensado seus melhores alunos com dinheiro.

Desde 2008, 620 escolas americanas já receberam recursos de um programa gerido pela ONG National Math and Science Initiative (NMSI) para premiar financeiramente estudantes que tiram boas notas em provas nacionais de Ciências, Matemática e Inglês.

A iniciativa busca encorajar mais alunos a realizar os testes AP ("Advanced Placement", ou colocação avançada), que medem o conhecimento dos alunos sobre temas do currículo universitário e contam pontos para o ingresso na faculdade.

Leia também:

"É absurdo pais não irem às ruas com greve de professores", diz docente da USP
1 em cada 3 professores tem problemas para lidar com alunos, indica levantamento

"Antes não tínhamos motivos para estudar, e muitos professores simplesmente não se importavam com as aulas. O dinheiro nos dá um incentivo concreto para fazer a lição de casa", diz à BBC Brasil Zebediah Cottongim, 16 anos, aluno do penúltimo ano do Ensino Médio da Colonial Forge High School, uma das três escolas públicas do Condado de Stafford (Estado de Virgínia) a integrar o programa.

O programa é uma entre diversas iniciativas adotadas por centenas de escolas americanas na última década, que envolvem remuneração a estudantes e professores. Algumas receberam financiamento estatal; outras, de fundações ou entidades privadas. Nem todas as iniciativas funcionaram, e críticos alegam que o método monetariza o ensino e faz os alunos focarem demais nos testes e na recompensa em vez de despertar seu interesse genuíno pelos estudos.

Defensores e alguns pesquisadores argumentam que, se os incentivos forem bem executados e estiverem associados a outras iniciativas - sobretudo treinamento de professores e acompanhamento dos alunos -, eles podem dar bons resultados.

Pizza e vale-presente

A BBC Brasil visitou a Colonial Forge High School na semana passada. O prédio de tijolos vermelhos, cercado por estacionamentos, se destaca na paisagem de construções espaçadas e largas avenidas.

As provas AP são opcionais e podem ser feitas a partir do primeiro ano do Ensino Médio. Cada exame, que cobre uma única disciplina, custa US$ 91 (R$ 284).

Os alunos de escolas cadastradas no programa NMSI pagam a metade do valor da prova e recebem US$ 100 (R$ 311) cada vez que obtêm nota superior a 3 (em uma escala de 1 a 5) nos testes de Ciências, Matemática e Inglês.

'O dinheiro nos dá um incentivo concreto para fazer a lição de casa', diz Zebediah Cottongim
BBC
'O dinheiro nos dá um incentivo concreto para fazer a lição de casa', diz Zebediah Cottongim

No ano passado, Zebediah foi aprovado em duas provas e recebeu US$ 200 (R$ 622). Ele diz ter gastado parte do dinheiro com comida e gasolina (nos Estados Unidos pode-se dirigir a partir dos 16).

Sua colega Elizabeth McPherson, 16 anos, fará neste ano quatro provas AP e espera receber US$ 400 (R$ 1.250) pelo programa. O dinheiro, diz ela, será entregue aos pais e depositado na poupança para a sua faculdade.

Para a jovem, que quer cursar Astronomia, outro incentivo do programa são os mimos que os alunos recebem ao assistir a aulas nos fins de semana. Nesses dias, há pizza na escola e eles ganham vales-presente de US$ 5 a 20 da Amazon.

'Conteúdos mais rigorosos'

Desde que a iniciativa começou a vigorar, em 2012, o número de provas AP feitas por alunos do colégio passou de 886 para 1.371 ao ano, alta de 55%. Em todas as escolas do Estado de Virgínia, o total de testes AP realizados cresceu apenas 7% no mesmo período.

"O programa nos ajudou a ampliar a exposição dos estudantes a conteúdos mais rigorosos", diz Kenya Wallach, supervisora de Matemática e Ciências do Departamento de Instrução do Condado de Stafford.

Ela afirma que, motivados pela iniciativa, cada vez mais alunos têm se matriculado em disciplinas preparatórias para os exames, normalmente mais difíceis que as matérias normais (nos Estados Unidos, os estudantes têm relativa autonomia para montar suas grades e podem optar por aulas mais ou menos avançadas).

Elizabeth espera receber US$ 400, que serão depositados na poupança para a sua faculdade
BBC
Elizabeth espera receber US$ 400, que serão depositados na poupança para a sua faculdade

Esses jovens, diz ela, deixam o Ensino Médio mais preparados e bem posicionados para entrar em boas universidades. Segundo Wallach, hoje quase 90% dos estudantes que se graduam na escola seguem para Ensino Superior, número ligeiramente maior ao registrado antes do programa.

Mas os resultados observados em Virgínia não necessariamente se repetiram pelo país inteiro.

Em Washington, foi abandonado um programa que pagava US$ 100 quinzenais a estudantes em troca de boas notas, presença nas aulas e bom comportamento.

Segundo reportagem do jornal Washington Post, houve queixas de que alunos que não cumpriam os pré-requisitos acabaram sendo remunerados, e outros que seguiram as regras não receberam nada.

A conclusão da reportagem é de que problemas na execução do programa acabaram "aprofundando as disfunções na escola", em vez de as reduzirem.

Em Nova York, outro programa, adotado na década passada, não aumentou o número de alunos aprovados nos testes AP.

Incentivos a professores

Diretores de escolas em Virgínia e organizadores do NMSI dizem que a recompensa financeira tem de ser parte de uma estratégia mais ampla, também voltada ao aprimoramento e à motivação dos professores.

"Os incentivos monetários por si só não bastam", explica à BBC Brasil Gregg Fleisher, responsável acadêmico pelo NMSI.

"Usamos o dinheiro para animar os alunos a fazer as aulas. Alguns alunos não iam prestar os testes, mas acabam gostando (de seus avanços acadêmicos) e dizem 'agora eu quero cursar Engenharia (na universidade)'. Mas os incentivos são aliados a um grande treinamento de professores, para que eles inspirem os alunos com a pedagogia adequada."

O programa banca a ida de professores a um treinamento anual em que se encontram com docentes de todo o país. Nas reuniões, eles compartilham suas experiências e aprendem métodos de ensino bem-sucedidos. E professores de Ciências, Matemática ou Inglês recebem US$ 100 (R$ 311) por cada aluno seu aprovado nos testes AP.

Diretor da North Stafford High School, outra escola em Virgínia integrante do projeto, Tom Nichols diz que alguns professores de seu colégio aumentaram sua renda anual em até US$ 8 mil (R$ 24.900) com os pagamentos extras.

O montante equivale a quase um quinto do salário anual de um professor iniciante, o que os mantêm motivados, afirma Nichols.

Segundo o diretor, o estímulo aos professores tem impacto maior no programa que os pagamentos aos alunos. "Eles têm a oportunidade de aprender com os melhores de suas áreas e crescer na carreira."

Custo-benefício

Pesquisas consultadas pela BBC Brasil confirmam que dão melhores resultados os programas que aliam as recompensas financeiras dos estudantes a incentivos e treinamento também aos professores.

"No longo prazo, vemos um bom custo-benefício financeiro se os programas forem focados em lugares pobres", considerando que os eventuais ganhos salariais que esses alunos podem ter no futuro supera os custos do projeto, explica C. Kirabo Jackson, professor do Institute of Policy Research da Universidade Northwestern e pesquisador de programas de incentivos.

"Não está claro se os programas aumentam o número de alunos que conseguem entrar em faculdades, mas os que conseguem passam mais anos estudando e tendem a ganhar mais."

Isso não impede que haja distorções. De volta à Colonial Forge High School, em Virgínia, o aluno do penúltimo ano do Ensino Médio Wudison Gomez, 17 anos, diz que sua principal motivação para fazer os testes AP é ganhar créditos para a faculdade, e não ganhar dinheiro. E ele faz críticas ao programa: "No dia em que (os estudantes) pararem de receber, eles vão perder o interesse em aprender", opina.

Para a pesquisadora brasileira Paula Louzano, doutora em Política Educacional pela Universidade de Harvard, programas do tipo desestimulam "alguns valores queremos para os alunos, como ter prazer em aprender e se esforçarem independentemente (de pagamentos)".

"Nenhum país que foi por esse caminho melhorou (a educação) sistematicamente. Países que são modelos de sucesso por ensinarem com alto grau de excelência, como o Canadá e os países nórdicos, não se baseiam nessa lógica de que falta esforço e de que pagando (professores e alunos) eles vão se esforçar. Se baseiam em uma relação de mais confiança com o docente", diz ela.

Fleisher, do NMSI, argumenta que o dinheiro já faz parte da realidade dos jovens e que, em geral, os mais ricos já são recompensados por seu esforço.

Para Kirabo Jackson, os programas do tipo podem ser eficientes em melhorar o desempenho dos alunos e incentivá-los a estudar, desde que sejam projetados corretamente.

"O programa deve dar aos alunos metas que sejam factíveis e garantir que eles tenham ferramentas para atingi-las. Se você pagar os alunos por uma meta como ler mais livros, terá resultados ruins - porque é uma meta que pode ser manipulada e provavelmente os alunos não aprenderão nada. O incentivo deve ocorrer para pontos que sejam difíceis de serem melhorados se não houver um grande esforço (dos estudantes)."

Jackson também defende que os professores sejam recompensados e que os testes que meçam o desempenho sejam padronizados, para evitar manipulação.

Fleisher agrega que, cumpridos alguns pré-requisitos, o programa pode ser facilmente exportado para o resto do mundo. "O que aprendemos é que o professor é essencial para os resultados e que os incentivos funcionam, desde que você dê apoio extra aos alunos. Uma vez que os alunos veem os resultados do seu esforço, eles param de se esforçar apenas pelo dinheiro", diz.

Leia tudo sobre: educaçãoprêmiobônusbônus por desempenho

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas