Filósofo e professor da USP assume Ministério da Educação com obrigação de tirar o PNE do papel em ano de crise

Em seu primeiro dia à frente do Ministério da Educação, Renato Janine Ribeiro disse que a Pasta analisa em quais programas é possível escalonar pagamentos e investimentos caso sejam feitos cortes no orçamento da pasta, que ainda não foi divulgado. 

"A principal prioridade é ver como podemos escalonar desembolsos e escalonar investimentos [caso haja cortes no orçamento da pasta]", afirmou Janine durante entrevista coletiva nesta segunda-feira (6).

O novo ministro agradeceu à presidenta Dilma Rousseff a decisão de não cortar verbas de programas essenciais do MEC e disse que a pasta dará a sua contribuição aos ajustes econômicos. A economia começa pelos próprios servidores do órgão. Segundo ele, há no prédio do ministério avisos para se economizar com eletricidade e com impressões, por exemplo.

Renato Janine Ribeiro toma posse como ministro da Educação
Valter Campanato/Agência Brasil
Renato Janine Ribeiro toma posse como ministro da Educação



Perguntado sobre as críticas ao governo Dilma feitas pelo professor da USP em entrevista à revista Brasileiros, o ministro disse ter considerado um sinal de grandeza da presidente Dilma Rousseff tê-lo convidado apesar de suas críticas. "Me sinto confortável porque quando você faz crítica, você se responsabiliza por tentar resolver os problemas", disse. "As críticas que eu fiz foram construtivas", completou.

PNE

Filósofo e professor da Universidade de São Paulo, Janine Ribeiro disse que o Plano Nacional de Educação será o guia de seu mandato e dos próximos dez anos das políticas públicas de educação. "Essa lei é nossa bíblia", disse, "se houver alguma demora, nós vamos explicar."

Conheça: PNE tem 20 metas até 2024

Janine Ribeiro destacou a importância da política de valorização de diretores de escola, iniciada pelo ex-ministro Cid Gomes. "Esse é um projeto muito importante e continua."

Em relação à consulta pública sobre o Enem Digital, o secretário executivo Luiz Cláudio Costa afirmou que o projeto continua em estudos no Inep, mas não será feito na edição do exame nacional deste ano.

O novo ministro anunciou os nomes de dois novos colaboradores para as secretarias que estavam sendo ocupadas interinamente. O reitor da Universidade Federal do Ceará, Jesualdo Farias, assume a Secretaria de Educação Superior (Sesu) e o reitor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Paulo Nacif, comandará a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi).

Dilma garante que políticas do MEC não sofrerão cortes

Mais cedo, durante a cerimônia de posse do ministro da Educação, a presidente Dilma Rousseff garantiu que os cortes no orçamento não afetarão as políticas de educação do governo federal.

"Eu garanto às brasileiras e aos brasileiros que a necessidade imperiosa de promover ajustes na nossa economia, reduzindo despesas do governo, não afetará os programas essenciais e estruturantes do Ministério da Educação."

A presidente congratulou Janine Ribeiro, que é professor de ética e filosofia política da Universidade de São Paulo. "Ele é uma feliz novidade porque é um ministro educador em uma pátria educadora", disse ela, que desejou muita sorte "diante dos enormes desafios que ele enfrentará".

* Com informações da Agência Brasil

Confira alguns dos problemas da educação brasileira


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.