Laudo mostra que Humberto Moura Fonseca, de 23 anos, tinha concentração de 4,6 gramas de álcool por litro de sangue

Humberto Moura Fonseca, morto no dia 28/02
Reprodução / Facebook
Humberto Moura Fonseca, morto no dia 28/02

O universitário Humberto Moura Fonseca, que morreu no final de fevereiro após ingerir em torno de 25 doses de vodca, tinha uma concentração de 4,6 gramas de álcool no sangue no momento em que foi a óbito.

É o que revelou o exame toxicológico realizado no estudante de 23 anos, divulgado pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, na terça-feira (31). A quantidade apontada é oito vezes superior àquela em que um motorista passa a responder criminalmente por embriaguez, de 0,6 gramas, segundo a investigação da Polícia Civil.

Estudante do quarto ano de Engenharia Elétrica na Universidade Estadual Paulista (Unesp), Fonseca morreu após entrar em coma alcoólico durante uma festa entre repúblicas realizada na cidade de Bauru, no interior de São Paulo. 

Leia mais:
Aluno da Unesp morre após participar de competição de álcool

Testemunhas afirmam que o jovem participava de uma disputa na qual os competidores precisavam ingerir uma dose de vodca por minuto. A competição durou cerca de 30 minutos e foi filmada por colegas, que incentivavam o jovem, conhecido como Lombadinha, a vencer. "Au, au, au, Lombadinha é um animal", era o grito de guerra.

Além de Fonseca, mineiro natural da cidade de Passos, outros cinco participantes da disputa deram entrada no Pronto Socorro Municipal após a competição, mas todos sobreviveram. 

Leia também:
Abuso de álcool é mais comum entre universitários que moram em república
Jovens e o álcool: "Apaguei e colocaram 1 litro de cachaça na minha boca"
Estudante é obrigado a beber álcool combustível durante trote em universidade

Em nota, a Delegacia de Investigações Gerais de Bauru, responsável pela investigação do caso, afirma ter ouvido 30 testemunhas e promete convocar outras 20 para prestar depoimento sobre a morte do universitário.

Veja trotes e casos de violência em universidades brasileiras



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.