Aluno da Unesp morreu de overdorse com 4,6 g de álcool por litro de sangue

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Laudo mostra que Humberto Moura Fonseca, de 23 anos, tinha concentração de 4,6 gramas de álcool por litro de sangue

Humberto Moura Fonseca, morto no dia 28/02
Reprodução / Facebook
Humberto Moura Fonseca, morto no dia 28/02

O universitário Humberto Moura Fonseca, que morreu no final de fevereiro após ingerir em torno de 25 doses de vodca, tinha uma concentração de 4,6 gramas de álcool no sangue no momento em que foi a óbito.

É o que revelou o exame toxicológico realizado no estudante de 23 anos, divulgado pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, na terça-feira (31). A quantidade apontada é oito vezes superior àquela em que um motorista passa a responder criminalmente por embriaguez, de 0,6 gramas, segundo a investigação da Polícia Civil.

Estudante do quarto ano de Engenharia Elétrica na Universidade Estadual Paulista (Unesp), Fonseca morreu após entrar em coma alcoólico durante uma festa entre repúblicas realizada na cidade de Bauru, no interior de São Paulo. 

Leia mais:
Aluno da Unesp morre após participar de competição de álcool

Testemunhas afirmam que o jovem participava de uma disputa na qual os competidores precisavam ingerir uma dose de vodca por minuto. A competição durou cerca de 30 minutos e foi filmada por colegas, que incentivavam o jovem, conhecido como Lombadinha, a vencer. "Au, au, au, Lombadinha é um animal", era o grito de guerra.

Além de Fonseca, mineiro natural da cidade de Passos, outros cinco participantes da disputa deram entrada no Pronto Socorro Municipal após a competição, mas todos sobreviveram. 

Leia também:
Abuso de álcool é mais comum entre universitários que moram em república
Jovens e o álcool: "Apaguei e colocaram 1 litro de cachaça na minha boca"
Estudante é obrigado a beber álcool combustível durante trote em universidade

Em nota, a Delegacia de Investigações Gerais de Bauru, responsável pela investigação do caso, afirma ter ouvido 30 testemunhas e promete convocar outras 20 para prestar depoimento sobre a morte do universitário.

Veja trotes e casos de violência em universidades brasileiras

Cartaz em apoio a aluna vítima de tentativa de estupro na Poli-USP (9.10.2013). Foto: ReproduçãoDepois de se sujaram com ovos, tinta, farinha e café, os calouros tiveram de rodar até ficar tontos na UnB (14.07.10). Foto: Luana Lleras/UnB Agência/DivulgaçãoEstudantes lambem linguiça com leite condensado durante trote do curso de agronomia da Universidade de Brasília (31,01.2011). Foto: Agência UnBImagem onde caloura pintada de preto aparece acorrentada junto a uma placa "caloura Chica da Silva". Foto: ReproduçãoTodos os calouros tiveram de entrar juntos na piscina de lama, vegetais, legumes e lixo (14.07.2010). Foto: Luana Lleras/UnB Agência/DivulgaçãoCalouros tiveram de andar em fila indiana, com as mãos entrelaçadas entre as pernas uns dos outros, o chamado elefantinho (14.07.2010). Foto: Luana Lleras/UnB Agência/DivulgaçãoOs estudantes de agronomia tiveram de procurar sabonetes em uma piscina de lama. Foto: Luana Lleras/UnB Agência/DivulgaçãoCalouros escorregam em poça d'água no meio do corredor do principal prédio da universidade. Foto: DivulgaçãoTrote Unb. Foto: DivulgaçãoImagens de trote no ano passado foram anexadas à denúncia à universidade. Foto: ReproduçãoCaloura é pintada por veteranos em trote da Poli na USP. Foto: Amana Salles/Foto ArenaAmarrados, calouros são conduzidos para uma festa no gramado da faculdade. Pais acompanham e fotografam tudo. Foto: Amana Salles/Foto ArenaHomero Santiago Maciel, 19 anos, recebe banho na lama, durante o trote da Faculdade Politécnica da USP. Foto: Amana Salles/Foto ArenaBeatriz Castro, de 18 anos, recebeu trote com tinta, farinha e leite condensado: "Ainda não caiu minha ficha de que passei na Poli". Foto: Amana Salles/Foto ArenaBrincadeira com fezes e urina teria sido realizada perto do campus da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Foto: ReproduçãoFrente Feminista denuncia atos obscenos durante trote na USP São Carlos. Foto: Frente Feminista USP



compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas