Em SP, professores usam WhatsApp para convocar alunos a participarem de greve

Por Cristiane Capuchinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em greve desde 13 de março, professores pedem apoio a pauta. Secretaria encoraja pais a mandarem filhos para escola

Em greve desde o dia 13 de março, os professores da rede estadual de São Paulo têm usado as redes sociais para explicar suas reivindicações aos estudantes e pedir apoio aos protestos. 

Um texto compartilhado por professores em greve pelo WhatsApp reclama dos baixos salários, aponta a redução no número de profissionais dentro das escolas, a falta de materiais e a superlotação das salas de aula.

Professores em greve explicam situação para alunos e pedem apoio por whatsApp
Reprodução
Professores em greve explicam situação para alunos e pedem apoio por whatsApp

"E você vai ficar aí parado? É por isso, aluno, que estamos em greve! Venha lutar ao lado do seu professor, se manifeste também! Apoie a greve dos professores de SP", pede o texto, escrito pelo Comando de Greve da categoria e enviado a alunos. 

No Facebook, a comunidade Eu Apoio a Greve dos Professores de SP tem mais de 14 mil membros. Na página, são divulgados vídeos e imagens de estudantes, professores de outros Estados e outros profissionais segurando cartazes de apoio à greve.

Os professores de São Paulo reivindicam aumento salarial de 75,33%, redução da jornada dentro de sala de aula e diminuição do número de estudantes por turma (25 estudantes). 

"Os estudantes têm que entender o que está acontecendo. É a aliança com eles que vai garantir que a gente consiga melhorar", afirma Maria Izabel Noronha, presidente da Apeoesp (sindicato da categoria). 

A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo classifica a greve como "extemporânea e ofensiva aos pais e alunos paulistas, uma vez que a categoria recebeu o último aumento salarial há sete meses". De acordo com a pasta, o reajuste foi de 45% nos últimos quatro anos. 

A secretaria discorda, ainda, da "conduta da Apeoesp que, com o objetivo de inflar o movimento, tem encorajado os pais a não levarem seus filhos para a escola, privando-os assim do direito incontestável de aprender" e pede que os pais mandem os filhos para a escola.

De acordo com levantamento da Apeoesp, cerca de 59% dos professores da rede estadual estão paralisados. A secretaria afirma que a média de faltas dos professores na semana passada foi de 8% e que as faltas estão sendo cobertas por profissionais substitutos.

Estudantes da rede estadual fazem cartazes em apoio à greve dos professores da rede estadual (30.03.2015)
Reprodução/EuApoioaGrevedosProfessores
Estudantes da rede estadual fazem cartazes em apoio à greve dos professores da rede estadual (30.03.2015)



Pautas e reunião

Nessa segunda-feira (30), a secretaria da Educação de São Paulo e o sindicato dos professores fizeram uma reunião, que já estava marcada antes da greve, para discutir carreira.

O secretário Herman Voorwald afirmou que um reajuste para os professores será analisado em abril, porém deve ser considerado o momento atual da economia. A secretaria lembra que a categoria teve aumento salarial de 45% nos últimos quatro anos. Hoje o piso do professor da rede é de R$ 2.145

O sindicato pede que seja feito um plano de reajuste para que a categoria receba aumento de 75,33%. 

"Se o momento atual da economia vale para nós, também vale para o governador e para os secretários, que mandaram em dezembro a proposta de reajuste de seus salários", criticou a presidente da Apeoesp. Em janeiro, os salários dos secretários do governo tiveram reajuste de 17,4% e chegaram ao valor de R$ 16,5 mil.

A Secretaria de Educação informou que pagará nesta terça (31) um bônus proporcional aos resultados obtidos pelos alunos em prova Saresp. Será pago o valor de R$ 1 bilhão para 232 mil funcionários. A pasta nega que as negociações não tenham avançado, pois foi encaminhado um projeto de lei, por exemplo, para que professores temporários sejam incluídos no Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual.

A próxima assembleia da categoria será realizada na próxima quinta-feira (2) na avenida Paulista.

Leia a carta dos professores na íntegra

"Querido aluno, estamos em greve!
Queremos destruir o PLANO MACABRO DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SP!

- Mas que plano seria esse, professor?

Vou explicar. Sabe aquele professor jovem, que se efetivou há pouco tempo e que chegou na sua escola cheio de ideias, projetos, que dá aquelas aulas maneiras usando multimídia, que sabe o conteúdo pra caramba, que desvendou pra você a equação de 2º grau ou a análise sintática? Eu tenho uma notícia sobre ele. Todo começo de mês, quando olha para o seu holerite ele faz uma jura pra si mesmo: Jura que um dia abandonará as salas de aula, IRÁ EXONERAR (pedir demissão do estado) e sabem por quê? Por que ele fez uma faculdade, estudou pra caramba e hoje é o profissional com nível superior MAIS MAL PAGO DO ESTADO DE SP!

Você já reparou que aquele seu professor mais velho, superexperiente, que não precisa nem olhar no livro didático pra explicar aquele conteúdo mega difícil anda desmotivado, sem ânimo, triste e com pouca vontade de dar aulas? Pois é. Ele passou a vida inteira acreditando que um dia as coisas mudariam, que um dia o governo estadual iria reconhecer seu valor, pagar-lhe um salário justo e isso nunca aconteceu… ELE ESTÁ PERDENDO AS ESPERANÇAS e todos os dias ao sair de casa ele se pergunta: Por que, meu Deus fui escolher essa profissão? E seu maior sonho é se aposentar logo pra tentar dar um novo sentido pra sua vida…

Lembra daquele professor novo que ano passado dava umas aulas super legais, que substituía e que, dessa forma, evitava que você tivesse aulas vagas, mas que misteriosamente “sumiu do mapa”? Cara, você nem sabe o que aconteceu com ele… ELE FOI DEMITIDO pelo governo, ele e mais 21 mil professores no estado todo! O governo decidiu que ele terá que ficar 200 DIAS SEM DAR AULAS, isso mesmo! Quase 7 meses sem dar aulas porque se não teria que desembolsar alguma grama para pagar direitos que eles deveriam ter, mas não têm. Cara, imagina se seu pai ou sua mãe ficassem 7 meses desempregados de 2 em 2 anos! Pois é, esses professores ficam…

Às vezes você se pergunta: Poxa, porque meus professores não nos levam na sala do Acessa Escola (computação)? Aluno, você já reparou que essa sala agora está fechada ou está funcionando em apenas um período? Pois é. O GOVERNO DEMITIU MILHARES DE ESTAGIÁRIOS DO ACESSA ESCOLA, impossibilitando, assim, o seu uso. Mas também, nem vai fazer tanta falta, já que a internet de lá parece discada de tão lenta e só tem meia dúzia de PCs para 40 alunos!

Mas teve mais gente na sua escola que tomou “chá de sumiço”. Lembra da coordenadora do fundamental? Lembra do PCAGP, que alguns chamavam de “coordenador geral” e que auxiliava pra caramba os professores, desenvolvia projetos, ajuda vocês o tempo todo? Então mano, eles também foram DEMITIDOS!

Mas espera aí, se você prestar bem atenção, não foram só as pessoas que sumiram… Já reparou que A ESCOLA ESTÁ SEM MATERIAL? Que os professores não estão fazendo chamada porque não têm caderneta? Que muitas vezes você é quem tem que comprar cartolina, papel sulfite, folha quadriculada e que nem mesmo papel higiênico tem na escola? 

Tinta para a impressora é uma lenda, você já nem sonha mais com isso… Não podemos nos esquecer daqueles maravilhosos kits de livros paradidáticos que esse ano você não vai ganhar… E já reparou como a sua escola está velha, feia, caindo aos pedaços e nem uma tinta na parede recebe há anos? Pois é. O GOVERNO ESTADUAL CORTOU BOA PARTE DA VERBA QUE DESTINAVA ÀS ESCOLAS e mandou a gente “se virar nos trinta” e dar toda a educação de que você necessita com uma lousa trincada e um giz de má qualidade.

Se você prestar atenção verá que o PERÍODO NOTURNO ACABOU EM MUITAS ESCOLAS e que aqueles seus amigos que trabalham tiveram que mudar de escola ou parar de trabalhar… Perceberá também que mal consegue se mexer porque SUA TURMA TEM MAIS DE 40 ALUNOS e que seu professor nem consegue tirar suas dúvidas ou corrigir uma redação com você porque ele tem mais dezenas de alunos para “dar conta”.

E se você mora numa região quente do estado, meus pêsames… SUA SALA MAL TEM VENTILADORES quando na realidade precisaria de ar condicionado para que você pudesse estudar confortavelmente.

Por tudo isso SEUS PROFESSORES DECRETARAM GREVE! Mas espere um pouco: Você está tendo aulas todos os dias! Como isso é possível se seus professores estão em greve? O governo mandou os diretores colocarem PROFESSORES EVENTUAIS no lugar deles. Tem professor de Matemática dando aulas de História, Português, Geografia… Tem professor de Educação Física dando aulas de Química, Física, Biologia… Agora você está dando risada e pensando: Eles no máximo dão textos pra gente copiar ou mandam a gente fazer uma redação que nem vão corrigir, preencher cruzadinhas, desenhar… Não continuam os conteúdos que estávamos vendo!

A essa altura do campeonato você deve fazer ideia de qual o PLANO MACABRO DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO. Vou revelar: ELA NÃO QUER QUE VOCÊ APRENDA NADA! Ela está boicotando o ensino e aprendizado, porque prefere te ver na ignorância, não quer que você tenha consciência política, porque um povo politizado pode ser uma ameaça a esse sistema corrupto e sujo com o qual convivemos pacificamente. É isso mesmo! O governo estadual não quer te ver numa faculdade, concorrendo de igual pra igual com os filhos dos ricos no mercado de trabalho. E VOCÊ VAI FICAR AÍ PARADO? É por isso, aluno, que estamos em greve! Venha lutar ao lado do seu professor, se manifeste também! Apoie a greve dos professores de SP!!!
Ass. Professores do Estado de SP"

Veja alguns dos problemas da educação brasileira

ENSINO DE MÁ QUALIDADE - No Brasil, mais de 90% dos estudantes terminaram o ensino médio em 2013 sem o aprendizado adequado em matemática. Foto: Thinkstock/Getty ImagesREPETÊNCIA E EVASÃO - Com baixa qualidade de ensino, estudantes repetem de ano e abandonam a escola. Metade dos alunos não concluem o ensino médio até os 19 anos. Foto: A2 Fotografia/José Luis da Conceição/DivulgaçãoPROBLEMAS NA ESCRITA - No Enem de 2014, 529 mil estudantes brasileiros tiraram zero na redação. O tema era Publicidade Infantil. Foto: Marcos Santos/USP ImagensPROFESSORES TEMPORÁRIOS - 1 em cada 4 professores da rede pública do País é temporário, segundo estudo do Ipea. Assim, os professores não têm direitos trabalhistas completos e tampouco dedicação total ao trabalho. Foto: Divulgação/A2 Fotografia/Eduardo AmorimBAIXOS SALÁRIOS - Em 2015, a Lei do Piso subiu o salário para R$ 1.918 por 40 horas de trabalho por semana. Criada em 2008, a lei não é cumprida por 3 redes estaduais: MG, RS e RO. Foto: Arquivo E.E. José FlorentinoMUITOS ALUNOS POR SALA - Na rede estadual de São Paulo, as aulas começaram em 2015 com turmas superlotadas. Apesar do limite de 40 alunos, salas tinham até 85 matrículas. Foto: Cristiane Capuchinho/iGVIOLÊNCIA - A violência no entorno das escolas também atinge as salas de aula. Escolas públicas por vezes têm de lidar com roubo de materiais e até de merenda. Foto: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DO RIO DE JANEIROFALTA DE INFRAESTRUTURA - Mesmo em SP, um dos Estados mais ricos do País, a rede estadual ainda tem escolas feitas de lata. Foto: Bárbara Libório/iG São PauloFALTA DINHEIRO -  Dados coletados pelo Pisa 2012 mostram que o Brasil investe US$ 26.765 por estudante entre 6 e 15 anos. A média dos demais países da OCDE é de US$ 83.382. Foto: Agência BrasilFALTAM VAGAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL - Em 2016, todas as crianças de 4 e 5 anos deverão estar matriculadas na escola. Atualmente, 2 em cada 10 estão fora da escola. Foto: Thinkstock Photos


Leia tudo sobre: greve de professoresigspeducação básica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas