Veja dicas para conseguir bolsas de estudos nos EUA

Por Artigo - Alex Aberg Cobo |

compartilhe

Tamanho do texto

Custo de frequentar uma escola da Ivy League subiu de alto em torno de US$ 3,6 mil em 1963 para quase US$ 60 mil por ano

Ingressar em uma faculdade ou universidade dos EUA pode ser muito caro. É provavelmente o segundo maior “investimento” que as pessoas fazem em suas vidas (depois de comprar a casa própria).

Ainda assim, inacreditavelmente, as instituições norte-americanas têm aumentado suas anuidades e outras taxas cerca de quatro vezes mais do que a média de inflação nas últimas décadas. O custo de frequentar uma escola da Ivy League subiu de alto em torno de US$ 3,6 mil em 1963 para quase US$ 60 mil por ano atualmente, incluindo anuidade e custos de vida.

Para aqueles estudantes que corretamente valorizam um programa de graduação for a de seus países de origem, interagindo com outras pessoas e culturas, o obstáculo financeiro é na maioria das vezes impossível de encarar.

Esses estudantes têm os requisitos, o desejo e a resiliência para se inscrever e entrar em faculdades dos EUA, mas não podem pagar por isso de forma plena. E financiamentos estudantis normalmente não são concedidos a estudantes internacionais, devido à dificuldades que os bancos norte-americanos têm de executar acordos de empréstimo no caso de inadimplência.

Estudantes com este perfil até podem ser capazes de conseguir financiamentos em seus países, mas com taxas de juros muito altas. Além disso, empréstimos podem ser perigosos, pois normalmente os estudantes e suas famílias calculam de forma equivocada o peso financeiro e acabam por levar décadas para pagar pela educação recebida. Nas faculdades dos EUA, por exemplo, os estudantes se formam com um custo médio de empréstimo de US$ 30 mil.

Assim, nesta coluna tentaremos descrever de forma resumida as estratégias para conseguir bolsas e empréstimos. Para começar, a maioria das universidades oferece algum tipo de assistência financeira. Elas podem ser baseadas em necessidades ou em méritos. Fora de determinadas universidades, muitas instituições externas oferecem ajuda financeira. É preciso reforçar, porém, o processo de seleção destas bolsas pode levar meses, então é preciso um planejamento com bastante antecedência.

O governo brasileiro (em parceria com empresas privadas), por exemplo, iniciou um ambicioso programa para financiar os estudos de 100 mil brasileiros no exterior – o programa Ciência sem Fronteiras. O foco é nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, lembrando que é preciso retornar ao Brasil para finalizar os estudos, então não é possível buscar um programa que contemple os quatro anos de estudo no exterior.

Evidentemente, as autoridades reconhecem o valor da educação internacional. Além disso, instituições privadas coma Fundação Estudar, Fundação Lemman, Fundação Ismart e Instituto Ling, entre outras, oferecem bolsas e empréstimos para alunos selecionados.

Education USA, uma instituição do Departamento de Estado, também pode oferecer aconselhamento para estudantes a respeito de ajuda financeira. Como exemplo, a ONU e a Organização dos Estados Americanos (OEA) também possuem diversas bolsas disponíveis, assim como fundações globais.

No caso da OEA, o Rowe Fund Program oferece empréstimos sem juros. Ainda, algumas universidades oferecem bolsas para estudantes que frequentaram o Ensino Médio em escolas parceiras, como é o caso da United World Colleges (UWC). 

Alex Aberg Cobo
Divulgação
Alex Aberg Cobo

Alex Aberg Cobo é diretor da Universidade Minerva para a América Latina, é formado em Direito, fez MBA em Harvard e trabalhou no Morgan Stanley, Deutsche Bank, e em gestoras de fundos.

Leia tudo sobre: intercambioeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas