Protestos pelo País pedem que verba da educação não seja cortada

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Estudantes e professores fazem manifestações em Brasília, São Paulo, Manaus e Porto Alegre em dia de luta pela educação

Nesta quinta-feira (26), estudantes e professores fazem manifestações em diversas cidades do País para pedir que recursos da educação não sejam cortados. Hoje foi marcado o Dia Nacional de Luta pela Educação. 

Em Brasília, estudantes protestaram em frente ao Ministério da Educação pedindo a liberação do Fies (programa de crédito estudantil para ensino superior). 

26.03.2015 - Professores e alunos da rede estadual de São Paulo, em greve desde o dia 13, pedem que governo do Estado negocie reajuste salarial. Foto: Reprodução/Apeoesp Guarulhos26.03.2015 - Professores e alunos da rede estadual de São Paulo, em greve desde o dia 13, pedem que governo do Estado negocie reajuste salarial. Foto: Reprodução/Apeoesp Guarulhos26.03.2015 - Professores da rede municipal e estadual fazem protesto em Manaus por aumento salarial e mudança na carreira docente. Foto: Reprodução/Facebook Juntos26.03.2015 - Estudantes do ensino médio protestam em frente ao Colégio Protássio Alves, em Porto Alegre (RS). Foto: Reprodução/Twitter Decadermatori26.03.2015 - Grupo de estudantes realizam protesto em frente ao Ministério da Educação, em Brasília. Foto: CHARLES SHOLL/FUTURA PRESS26.03.2015 - Estudantes da Universidade Federal do Pará fazem protesto pela manutenção de verba para educação. Foto: Reprodução/Facebook Juntos

Em Manaus, centenas de professores das redes municipal e estadual se concentraram em frente à Arena Amazônia para pedir aumento salarial e melhorias na carreira docente. Os docentes saíram em carreata. 

Estudantes fazem manifestação pelas ruas de Porto Alegre pedindo mais investimentos na área de educação. 

Em São Paulo, professores e alunos da rede estadual, em greve desde o dia 13 de março, fazem protesto pedindo negociação salarial com o governo do Estado.

Cenário: Corte no orçamento deve dificultar trabalho do novo ministro da Educação

Orçamento
Após a aprovação do Orçamento Geral da União pelo Congresso, a presidente Dilma Rousseff informou que o governo fará um contingenciamento “significativo” nos recursos previstos. Segundo ela, é preciso fazer cortes para cumprir a meta do superávit primário.

A presidente vai decidir pessoalmente quais serão os cortes feitos em cada ministério.

Leia tudo sobre: protestoeducaçãoajuste fiscalmec

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas