Para Papa Francisco, lecionar é trabalho "belo e mal pago"

Por Ansa |

compartilhe

Tamanho do texto

O religioso ainda lembrou quando, aos 28 anos, em 1965, era professor de literatura no Colégio Imaculada Conceição em Santa Fé, na Argentina

Papa Francisco cumprimenta fiéis durante uma audiência especial com os membros da UCIIM, União Católica de professores do ensino secundário italianos
AP Photo/L'Osservatore Romano, Pool
Papa Francisco cumprimenta fiéis durante uma audiência especial com os membros da UCIIM, União Católica de professores do ensino secundário italianos

Lecionar é um oficio "belo" mas, lamentavelmente, mal pago, disse neste sábado (14), o papa Francisco durante uma audiência com a Associação de Mestres Católicos da Itália (Uciim), no Vaticano.

LEIA MAIS: Papa Francisco diz ter sensação de que seu pontificado será breve

"Isso é uma pena, que sejam mal pagos, porque não gastam somente o tempo que passam na escola, mas também têm que se preparar, pensar em cada um dos alunos, em como ajudá-los para seguir adiante", acrescentou o religioso.

Para exemplificar o que classificou como uma injustiça, Francisco falou de seu país natal, a Argentina. "Eu penso no meu país, que é o que eu melhor conheço. Para ter um bom salário, os professores devem fazer ao menos dois turnos. Mas como fazer esse compromisso?".

O religioso ainda lembrou quando, aos 28 anos, em 1965, era professor de literatura no Colégio Imaculada Conceição em Santa Fé, na Argentina. Segundo Francisco, lecionar é uma tarefa que implica "uma grande responsabilidade". "É um pouco como ser pai, ao menos espiritualmente".

Francisco também pediu que os mestres renovem "sua paixão pelo homem". "Não se pode ensinar sem paixão. Nunca, nunca, nunca, fechem esta porta. A abram para que todos os estudantes tenham esperanças"

Leia tudo sobre: papa franciscoprofessoresestudantesalunosmestres

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas