Manifestantes se acorrentam no Ministério da Fazenda por recursos para educação

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Plano de ajuste econômico reduziu verbas dos ministérios. Federais tiveram um terço de suas verbas bloqueadas

Agência Brasil

Vinte manifestantes da Fundação Educafro ocuparam hoje (9) pela manhã a entrada de serviço do Ministério da Fazenda. Os manifestantes se acorrentaram no interior do prédio e bloquearam a entrada do prédio por duas horas.

David Santos, frade franciscano, porta-voz dos manifestantes, diz que eles querem que o ministro dê garantias de que serão providenciados mais recursos para a educação no país. "Estamos aqui representando os estudantes pobres e negros do Brasil. Com o corte de 30% das verbas, o governo prejudica pobres e negros", disse frei David.

Após o protesto, o grupo teve uma reunião marcada. “Dia 17 de março voltaremos aqui para definir todos os pontos de reivindicação, em uma audiência com o secretário executivo [adjunto] Ariosto Culau. Se não atenderem a nossas demandas, aí teremos uma audiência com o ministro”, disse Santos.

Entenda
MEC bloqueia um terço da verba das federais; universidades atrasam bolsa
Após redução de verba, UFMG deixa de pagar contas de luz e água
UFRJ adia início das aulas por atraso no pagamento de funcionários

Estudantes invadem Ministério da Fazenda em Brasília
Antonio Cruz/ABr
Estudantes invadem Ministério da Fazenda em Brasília

Sobre a escolha do local da manifestação, o frade explicou que várias audiências ocorreram no Ministério da Educação, que sempre alega o corte de verbas para não atender às reivindicações. “Queremos a garantia de que todo aluno cotista negro, cuja renda seja inferior a 1,5 salário mínimo, tenha bolsa moradia, alimentação e transporte”, afirmou. “Colocamos aqui como é incoerente falar em pátria educadora e cortar 30% da verba para educação. Queremos saber quanto mais vai para educação, em uma pátria educadora”, disse.

Crise nas estaduais do Paraná
Paraná deve R$ 30 milhões a universidades; as sete estaduais estão em greve
Universidade pública do Paraná tem salas com entulho e luz atrasada há meses

Estudantes da Unespar em Paranaguá fizeram uma reunião em carteiras no pátio para explicar a situação e a greve dos alunos. Foto: Divulgação/DCE UnesparNeste momento, as salas de aula dos cursos de pedagodia, administração e ciências contábeis estão cheias de entulho. Foto: Divulgação/DCE UnesparSalas de aula do campus da Unespar foram fechadas para obras no fim de 2014, mas a reforma parou por atraso nos repasses. Foto: Divulgação/DCE UnesparNo campus de Paranaguá da Unespar, as carteiras e armários estão no corredor à espera do fim das obras. Foto: Divulgação/DCE UnesparA Unespar foi criada pelo governo estadual em 2013 a partir da reunião de faculdades que já existiam. Foto: Divulgação/Unespar


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas