Professores da rede estadual do Paraná continuam em greve após 24 dias

Por iG São Paulo * |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo do Paraná afirma que demandas da categoria foram atendidas e pede que professores voltem às salas de aula

Os professores da rede estadual do Paraná continuam em greve nesta segunda-feira (2). A categoria está parada desde o dia 7 de fevereiro e 970 mil alunos seguem sem aulas. 

Após uma reunião entre o governo do Paraná e o Sindicato dos Professores do Paraná (APP-Sindicato) na última quarta-feira (25), o sindicato decidiu manter o movimento e marcou assembleia para avaliar a proposta do governo na próxima quarta-feira (4). Até lá, os estudantes da rede pública continuam sem aulas. 

Professores da rede estaudal do Paraná estão em greve desde o dia 7 de fevereiro
Divulgação/APP Sindicato
Professores da rede estaudal do Paraná estão em greve desde o dia 7 de fevereiro

O Governo do Paraná alega que atendeu as demandas apresentadas pelo sindicato, diz que a rede estadual está pronta para a retomada das aulas e espera que os professores voltem para as salas.

Os grevistas conseguiram o pagamento da rescisão contratual dos professores temporários, a garantia do pagamento do terço de férias dos professores da educação básica e das instituições de ensino superior do Estado até 31 de março. O governo também informou que vai convocar mil professores e pedagogos aprovados em concurso, entre outras medidas.

Discussão sobre carreira docente

O principal impasse entre o governo e os grevistas é a questão das progressões e promoções, segundo o presidente do APP-Sindicato, Hermes Leão: “O governo deve progressão e promoção de funcionários e professores. Eles só falaram que vão implementá-las em maio e junho, mas não apresentaram como pagar o atrasado. Isso foi muito mal recebido, e muitas pessoas não têm confiança se o que o que governo diz será efetivado”.

O governo diz que vai abrir debate sobre pagamento de atrasados. “Não existem mais razões administrativas, operacionais e financeiras que impeçam o início do ano letivo. O governo fez todo o possível para resolver a situação do magistério. Agora temos que voltar para as salas de aula para que os alunos não sejam prejudicados ainda mais”, afirmou o secretário da Casa Civil, Eduardo Sciarra.

Beto Richa enfrenta crise
O governo Beto Richa (PSDB) enfrenta uma crise política desde o início do ano quando foram anunciadas medidas de austeridade no orçamento, além de ter aumentado impostos e cortado o pagamento de férias e de rescisões contratuais de professores.

A divulgação de corte no repasse de orçamento das sete universidades estaduais levou os reitores a anunciarem que cortariam bolsas e poderiam fechar as portas de algumas das instituições por falta de dinheiro para a manutenção. 

A Universidade Estadual do Paraná (Unespar), por exemplo, teve apenas 57,6% do orçamento de manutenção estimado para 2014 liberado pelo governo, que deixou de repassar R$ 1,9 milhão do total liberado. A instituição acumula dívidas de aluguel, luz, bolsas e pagamentos a terceiros no valor de R$ 2,5 milhões. 

* Com informações da Agência Brasil

Universidade Estadual do Paraná tem sala com entulho e dívida de R$ 2,5 milhões
leia mais

Estudantes da Unespar em Paranaguá fizeram uma reunião em carteiras no pátio para explicar a situação e a greve dos alunos. Foto: Divulgação/DCE UnesparNeste momento, as salas de aula dos cursos de pedagodia, administração e ciências contábeis estão cheias de entulho. Foto: Divulgação/DCE UnesparSalas de aula do campus da Unespar foram fechadas para obras no fim de 2014, mas a reforma parou por atraso nos repasses. Foto: Divulgação/DCE UnesparNo campus de Paranaguá da Unespar, as carteiras e armários estão no corredor à espera do fim das obras. Foto: Divulgação/DCE UnesparA Unespar foi criada pelo governo estadual em 2013 a partir da reunião de faculdades que já existiam. Foto: Divulgação/Unespar



Leia tudo sobre: prprofessoresgreve de professores

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas