CPI da assembleia legislativa apura denúncias de trotes violentos e abusos sexuais na Universidade de São Paulo

Começa nesta quarta-feira (11) a matrícula dos 11.057 selecionados para as vagas da USP (Universidade de São Paulo). Para receber os calouros, a universidade vai distribuir pela primeira vez um manual para calouras criado por coletivos feministas da instituição e intensificará a campanha contra trotes violentos.

As medidas foram tomadas após denúncias de abusos sexuais e trotes violentos dentro dos campi da universidade que deram início a uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Assembleia Legislativa de São Paulo. 

Abuso:  "Acordei com ele me penetrando por trás", diz vítima de estupro na USP
Abuso 2: "Sou vista como vagabunda", diz vítima de estupro em festa da USP

Cultura de violência:  Estupro na USP é culpa da negligência da faculdade com trote

Após coletivos feministas apresentarem na CPI material de orientação para alunas da universidade contra atos machistas, a USP decidiu incluir o "manual de calouras" no kit de recepção dos estudantes. Foram impressos 15 mil exemplares que serão entregues a todos os estudantes matriculados hoje e amanhã (12), de acordo com a instituição.

Após denúncias de abusos e trotes violentos, USP intensifica campanha antitrote
Reprodução/USP
Após denúncias de abusos e trotes violentos, USP intensifica campanha antitrote

Além disso, a campanha antitrote foi intensificada. O telefone para denúncias de abusos na recepção de calouros (0800-012-1090) está funcionando desde segunda (9) e ficará ativo até o dia 25 de março. Pela primeira vez, as denúncias também poderão ser feitas por chat disponível no site do Manual do Calouro. 

Algumas unidades tomaram medidas próprias para evitar abusos. A Escola Politécnica, que recebe 750 calouros por ano, terá apoio de 20 seguranças e outros 30 profissionais de apoio na festa de recepção de novos alunos preparados para intervir em situações de violência. 

MP e USP assinam acordo por trote em Piracicaba

Para evitar problemas na volta às aulas, no dia 23 deste mês, a direção da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) assinou um termo no Ministério Público  se comprometendo a combater os trotes no campus que fica em Piracicaba. O local teve nos últimos meses denúncias de violência e abuso sexual entre os alunos.

Haverá campanhas de conscientização por parte da Esalq nesse início de ano letivo e promotores de Justiça estarão presentes no local falando em palestras aos estudantes e acompanhando o ambiente universitário. Um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) foi assinado e prevê ainda outras ações para enfrentar e apurar os trotes. 

Relembre trotes e casos de violência em universidades brasileiras


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.