Harvard proíbe sexo e namoro entre professores e alunos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Universidade dos EUA mudou regras para combater assédio

A renomada Universidade de Harvard proibiu namoro e sexo entre professores e alunos da graduação. As mudanças fazem parte de uma revisão da política contra assédio sexual divulgada na semana passada pela instituição.

Anteriormente, a política de conduta da universidade proibia relação entre professores e alunos que estivessem sob sua supervisão direta. Após a revisão, docentes e alunos de graduação estão proibidos de ter qualquer envolvimento romântico ou sexual.

+ Nos EUA, mais de 80 universidades são investigadas por ignorar estupros

A universidade, que fica em Cambridge, nas proximidades de Boston, tem cerca de 2.400 professores e 6.700 estudantes de graduação.

O professor de história Alison Johnson, que liderou a comissão responsável pela revisão, afirmou que foram consultados alunos, professores e funcionários antes das alterações.

"Como parte desse processo, nós pensamos muito sobre a maneira que a dinâmica de poder pode contribuir para o assédio sexual", disse Johnson, em um e-mail. "Nós quisemos enfatizar que a característica central de qualquer relação entre um professor e um estudante da faculdade deve ser pedagógico."

No Brasil: 'Sou vista como vagabunda', diz vítima de estupro em festa da USP

Veja na galeria vítimas de trotes e abusos em universidades brasileiras

Bianca Bianca Cestaro de Almeida, de 27 anos, diz ter sido estuprada em dormitório de Pirassununga da Faculdade de Veterinária da USP (14.01.15). Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloEstudante contou aos deputados que acordou com o agressor a penetrando por trás (14.01.15). Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloLuiz Fernando Alves, de 22 anos, foi vítima de trote violento na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto e diz que tentou se matar (13.01.15). Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloDenúncias atingiram também a Esalq, da USP. Foto: DivulgaçãoFelipe Yarid (esq) diz ter sido envenenado por não aceitar trotes na Esalq (14.01.15). Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloAlunos são obrigados a ingerir fezes e vômito em trotes da faculdade de medicina da Puc, em Sorocaba, interior de SP. Relato foi feito por estudante à CPI via Skype (14.01.15). Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloAlunos são obrigados a ingerir fezes e vômito em trotes da faculdade de medicina da Puc, em Sorocaba, interior de SP. Foto: DivulgaçãoDeputados ouvem relatos de estudantes vítimas de trotes violentos e abusos em universidades. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloAlunos de medicina da USP denunciaram abusos à Comissão dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de SP. Foto: AlespDenúncias de estudantes de medicina da USP motivaram investigações Praça do Relógio na Cidade Universitária da USP (arquivo). Foto: divulgação/UspAlunas que criaram coletivo para lutar contra machismo dizem que são hostilizadas. Foto: BBC


* Com informações da Associated Press

Leia tudo sobre: harvardeuaensino superiorassédio sexual

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas