Após abandonar curso na UFMG, mineiro passa em psicologia na USP, Unesp e UFRJ

Por Cristiane Capuchinho - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Aprovado na UFRJ e em duas estaduais paulistas, aluno diz que Enem 2014 foi a pior prova que fez entre os vestibulares

Igor Majeau de Queiroz, de 20 anos, é só felicidade após ser aprovado nas quatro universidades em que prestou vestibular. Com o resultado da Fuvest divulgado nesta sexta-feira (30), o estudante tem entrada garantida no curso de psicologia da UFRJ, da Unesp, da USP ou da PUC.

Igor de Queiroz, de 20 anos, vai fazer psicologia na USP
Acervo pessoal

Após uma temporada em São Paulo para fazer cursinho, o mineiro de Poços de Caldas já decidiu: "vou para a USP porque quero continuar em São Paulo".

A aprovação veio com méritos extras: a 1ª colocação na Unesp e a 4ª posição na Fuvest. O sucesso veio após dois anos de estudos e muita indecisão sobre o curso que deveria seguir. 

Em 2014, ele se inscreveu em diversos vestibulares para fazer tentar medicina. Ao longo do ano, bateu a dúvida sobre a graduação. Acabou aprovado em biomedicina na UFMG, em Belo Horizonte. 

"Fui fazer o curso porque não queria voltar para o cursinho, mas eu já sabia que não era bem aquilo que queria."

Durante sua temporada na Federal de Minas Gerais, pesquisou mais sobre o curso de psicologia e conversou com veteranos. Encontros de orientação vocacional o ajudaram a decidir entre cinema e psicologia. "As pessoas deveriam abrir mais o leque de profissões, parece que só existe engenharia, medicina e direito", diz.

Tem que estudar, mas tem que ter tempo para descansar

Após dois anos de cursinho, Igor acha que ano de preparação para o vestibular tem que ser de muito estudo mas também deve haver tempo para descanso. 

"No primeiro ano eu cometi o erro de estudar muitas horas por dia sem descanso. Quando cheguei na temporada de provas, já não aguentava mais.", Ele conta que naquele ano mantinha uma rotina de 12 horas diárias de estudo. No ano passado, "relaxou". Apenas seis horas de estudo por dia. 

"Fazia pausas e aproveitava melhor essas seis horas de estudo do que um dia inteiro no primeiro ano", considera. 

Sobre a prova mais difícil, para o mineiro o pior foi o Enem 2014. "É pouco tempo. Saí do primeiro dia de prova sem conseguir fazer todas as questões. Saí da prova inseguro, desesperado."

Já na Fuvest, seu foco foi em estudar para as provas de segunda fase, que são dissertativas, mas ele acha que foi o exame de conhecimentos gerais da primeira fase que garantiu sua vaga. 

Agora ele aproveita os últimos dias de descanso na casa dos pais no sul de Minas antes de iniciar as buscas por uma república perto de seu novo campus, no Butantã. 

Leia tudo sobre: uspunespufrjsisuenemvestibular

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas