Professores sem salário do DF fazem feira para complementar renda e protestar

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Docentes estão com salários de dezembro, 13º e férias atrasados; governador disse que pagamento de servidores da educação deve ser feito na próxima semana

Agência Brasil

Um bazar com roupas, alimentos, produtos de beleza, cadernos, revistas em quadrinhos e ouros produtos foi a forma como os professores da rede pública de ensino do Distrito Federal encontraram para chamar a atenção para a grave situação da categoria. Com os salários de dezembro, 13º e férias atrasados eles decidiram realizar a feira e tentar arrecadar dinheiro para ajudar a pagar as contas em atraso.

Brasil: Piso do professor vai a R$ 1.918; valor é 34,4% menor que 'mínimo necessário'

Convocado pelo Facebook, o evento aconteceu neste sábado (10) no Parque da Cidade e foi batizado de Feira dos Professores – sem salário, 13º e férias – do Distrito Federal. A feira atraiu diversos profissionais insatisfeitos com a forma como a categoria está sendo tratada, além de frequentadores do parque.

Docentes estão com salários de dezembro, 13º e férias atrasados. Foto: Agencia Brasil/Fabio Rodrigues PDocentes estão com salários de dezembro, 13º e férias atrasados. Foto: Agencia Brasil/Fabio Rodrigues PDocentes estão com salários de dezembro, 13º e férias atrasados. Foto: Agencia Brasil/Fabio Rodrigues PDocentes estão com salários de dezembro, 13º e férias atrasados. Foto: Agencia Brasil/Fabio Rodrigues PDocentes estão com salários de dezembro, 13º e férias atrasados. Foto: Agencia Brasil/Fabio Rodrigues P



A professora de matemática, Ana Cristina Moreira contou com a ajuda dos familiares: a irmã preparou doces para serem vendidos durante a feira. “Nós [os profissionais de educação] nos preparamos para nos doar para a sociedade e é isso que recebemos”, disse a professora que classificou o atraso no pagamento dos salários como constrangedor. Já passamos um ano estressante e no período em que deveríamos estar descansando, acontece isso. Eu estou contando com o auxílio da minha família para pagar as contas, mas e quem não tem quem ajude?”, questionou.

Cenário: No Brasil, salário de professor é metade do que recebem outros profissionais

A professora de língua espanhola, Flávia Werneck, criadora do evento, disse que a iniciativa é realizada de forma independente sem “bandeiras sindicais ou partidárias” e visa expressar a indignação frente ao descaso com o professor. "Este é um ato simbólico, nós não temos a pretensão de arrecadar dinheiro para pagar todas as nossas contas. É muito triste na verdade este cenário e é um alerta para a sociedade, em geral, para que eles tenham noção daquilo que estamos passando. É um absurdo completo que a gente tenha chegado a este ponto”, criticou a professora. “O professor precisa lançar mão disso aqui [venda de produtos] para complementar a sua renda, portanto isso aqui já é uma realidade pra ele”, complementou a professora.

A iniciativa chamou a atenção das pessoas que passavam pelo parque neste sábado. O servidor público João Carlos Correa foi um deles. Ele disse que ficou sabendo do evento pela rede social e resolveu prestigiar a categoria. Correa comprou um caderno para a filha das mãos da professora de artes Vânia Cavalcante que trabalha em uma escola do Gama. “A gente veio aqui para isso [apoiar os professores]. Nossos filhos estão nas mãos deles e eu acredito que o mínimo que o estado deveria fazer é não atrasar os salários. Não estou falando nem de aumento que também deveria ocorrer, só do básico mesmo que é o pagamento em dia”, disse Correa à Agência Brasil.

Vânia, que tem dois filhos, conta que a confecção de cadernos foi a forma que encontrou para conseguir uma renda extra. “Hoje vence o meu aluguel e eu não tenho dinheiro para pagar, realmente é uma situação difícil”, desabafou.

Na sexta (9), os professores e profissionais da saúde realizaram um protesto em frente ao Palácio do Buriti, sede do Executivo. Com os salários de dezembro atrasados, eles fecharam o Eixo Monumental e a quadra 102 Sul, em Brasília. Inconformados com os atrasos, os professores decidiram acampar em frente ao Palácio do Buriti até receberem os valores devidos. Já os profissionais da área de saúde decidiram, em assembleia, entrar em greve até nova avaliação que será na quarta-feira.

Na sexta-feira (9) o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, disse que o pagamento dos servidores da educação deverá ser feito apenas na semana que vem.

Na opinião da professora Flávia, a forma como o governo vem tratando a situação é um "convite para o abandono do magistério". "Daqui de onde a gente está já dá pra ver um futuro desprovido de advogados, engenheiros, médicos porque o que o governo está fazendo um convite oficial e expresso para que nós abandonemos o magistério. E não tarda muito para nós fazermos isso, porque está inviável sobreviver dessa atividade", lamentou.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas