Celulares alfabetizam jovens e adultos no interior de SP

Por Porvir -Filipe Prado |

compartilhe

Tamanho do texto

Aplicativo de smartphone Palma ensina a ler e escrever, desperta motivação dos alunos e reduz evasão escolar

Reginaldo Maciel/Prefeitura Municipal de Itatiba
Jovens e adultos aprendem a ler e a escrever com aplicativo de celular

A Cooperativa de Materiais Recicláveis da cidade de Itatiba, no interior de São Paulo, adotou um novo método para alfabetizar seus trabalhadores em uma sala de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Eles utilizam o Palma (Programa de Alfabetização na Língua Materna), uma iniciativa que propõe o uso de smartphones e tablets com um aplicativo educacional cujo objetivo é estimular e complementar, por meio digital, as habilidades de leitura, escrita e compreensão de textos.

De acordo com a professora responsável pela aplicação da tecnologia no processo de alfabetização há seis meses, Maria da Gloria Viana, os resultados são surpreendentes. Os alunos sentem-se valorizados, motivados, realizam os exercícios em casa e aprendem através de jogos e pequenos testes que separam cada nível de aprendizado.

Veja também
Conheça quatro tendências de alfabetização depois das tecnologias
Analfabetismo entre negras é duas vezes maior que entre brancas, aponta IBGE

“O Palma aumenta a frequência em sala de aula e a concentração do aluno, diminui a evasão escolar e retém o aprendizado. Muitos adultos aprendem, mas acabam não exercitando. O programa gera um grande impacto na autoestima dos alunos”, disse o matemático José Carlos Poli, idealizador do projeto e presidente da IES2, startup que criou o aplicativo. Ele expõe os dados de impacto social baseado em pesquisas feitas com 300 alunos da rede pública que testaram o programa. 

Itatiba lançou oficialmente o programa em agosto deste ano, depois de dois anos de experiências e testes. O projeto também é aplicado a 30 alunos da EMEB Cel. Manoel Joaquim de Araújo Campos, onde faz sucesso entre os alunos. Eles dizem que o software é “muito bom” e que “é possível aprender brincando”. “Giz e lousa já eram”, segundo a coordenadora pedagógica da escola, Angela Ivete Ramos.

Aplicativo é usado também como reforço escolar

Ao todo, a cidade atende 83 alunos, incluindo alunos de 1º a 9º ano que precisam de reforço no processo de alfabetização e um estudante com síndrome de down. Projetos pilotos com o Palma também ocorrem em outros sete municípios, entre eles Campinas (SP), Franca (SP) e João Pessoa (PB), onde foi montada uma sala de aula em uma obra de construção civil.

“O Projeto Palma é importante como uma ferramenta para auxiliar no processo de alfabetização e ao mesmo tempo promove a inclusão digital para aquelas pessoas que não são familiarizadas com tecnologia”, comentou, através da assessoria de imprensa, Fatima Polesi Lukjanenko, secretária municipal de educação Itatiba.

Aplicativo tem sons, letras e imagens

Seguindo recomendação da Unesco de utilizar tecnologia móvel para obter melhores resultados na escola, o Palma engloba um conjunto de aplicativos que combina sons, letras, imagens e envio de dados. Há cinco níveis de dificuldade: alfabeto, sílabas simples, sílabas complexas, universo vocabular e leitura e compreensão de textos. No tablet, é possível até mesmo aprender a escrever utilizando o touch screen, que indica exatamente o movimento de escrita que deve ser feito a cada letra.

Em cada fase há testes que avaliam continuamente o progresso do aluno, gerando automaticamente um relatório ao professor responsável. Isso permite não só um acompanhamento individual e específico sobre cada uma das dificuldades detectadas, como também respeita o tempo de aprendizagem de cada estudante. Ao todo, são 4.331 atividades de fixação, de avaliação e jogos.

“Respeitar a velocidade de cada um é fundamental”, avalia Poli. Segundo suas definições pedagógicas, o Palma tem como base a abordagem sintética da alfabetização, cujo princípio consiste em ir do simples ao complexo. Ele prevê o desenvolvimento da consciência fonológica através da ligação simbólica entre letras e sons da fala e da percepção das diferenças entre as letras e consciência dos sons da fala. 

A ideia de usar o celular para alfabetizar surgiu a partir da constatação de que grande parcela da população possui um aparelho celular atualmente. “Percebi que todas as pessoas sabem usar o celular. Imaginei que se essas pessoas fazem ligações usando algarismos de 0 a 9, poderiam associar letras aos números. Como sou matemático, criei um programa que combina números com letras, imagens, sons e símbolos. Concluí que seria importante que, quando terminasse a aula, os alunos pudessem continuar suas lições em casa, no ônibus, em qualquer lugar”, diz José Poli.


Leia tudo sobre: alfabetizaçãoeadtecnologia na educação

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas