Ela foi uma das 13.870 que pediram atendimento como lactante; outras 9.258 mulheres grávidas pediram atendimento

Agência Brasil

Neste final de semana, os dias começaram por volta das 5h para Bruna Gomes dos Santos, estudante de 17 anos, que participou do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) , em Brasília. Para não se atrasar, ela saiu de casa, no Gama, de madrugada, para chegar ao local de prova na Asa Norte, a cerca de 30 km de distância. Bruna estava com o filho de 3 meses, Breno, e com a mãe, Margarete dos Santos, que cuidou do neto enquanto a filha fazia a prova.

Enem: iG terá resolução comentada das provas do segundo dia

Ela foi uma das 13.870 que solicitaram atendimento específico como lactante. Breno ficou em uma sala próxima com Margarete. "Dormiu a tarde toda", conta a avó que fez "de tudo para cuidar bem do neto". Por causa do filho, Bruna mal teve tempo para se preparar para a prova, mas diz que quer uma vaga no ensino superior, ainda decidirá o curso. "A prova foi mais ou menos. O tema da redação estava um pouco difícil", diz a estudante. O tema deste ano foi Publicidade infantil em Questão no Brasil. Bruna relata que o tema a surpreendeu e que não tinha lido nada sobre a questão.

Para fazer o Enem, os sacrifícios foram muitos. Ela diz que mal se alimentou pela correria no sábado e no domingo. Por causa da greve de ônibus de uma das empresas que opera do Distrito Federal, a Viação Pioneira, para não se atrasar, teve que madrugar. Mesmo chegando na parada de ônibus às 5h, conseguiu apenas às 11h chegar na Asa Norte. Os portões abriram às 12h. "Para quem quer alguma coisa na vida, os sacrifícios são necessários. Dou todo o apoio que posso", diz a mãe, Margarete.

Além das lactantes, 9.258 mulheres grávidas pediram atendimento específico. Ao todo mais de 8,7 milhões de candidatos se inscreveram no Enem.

Veja imagens do Enem:


    Leia tudo sobre: enem
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.