Perfil dos docentes deve ser avaliado ao escolher colégio; veja outras dicas

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Nem sempre a escola que aparece nos primeiros lugares das avaliações ou com a marca mais reconhecida é a melhor

Thinkstock/Getty Images
No momento da escolha, os filhos também devem participar da decisão dos pais

Há uma série de questões que devem ser consideradas na hora de escolher a escola dos filhos, da estrutura física à formação dos professores, passando pela proximidade física e, claro, pelo modelo pedagógico da instituição.

Todos esses quesitos, contudo, devem ser devidamente ponderados, afirma a educadora Andrea Ramal, doutora em educação pela PUC-Rio. Segundo ela, a relação entre a escolha da escola e o desempenho do aluno "é total".

"Cada família, dependendo do seu perfil, e das necessidades de cada criança ou jovem, deve avaliar qual é a escola mais adequada para o seu caso. Uma escola pode ser boa para uma criança ou um jovem, e não tão boa para outros. E nem sempre a escola que aparece nos primeiros lugares das avaliações ou com a marca mais reconhecida é a melhor para a criança. Essa afinidade entre as partes fará toda a diferença", diz Andrea.

De acordo com a educadora, "se a família se identificar com o modelo educacional da escola, se houver uma boa comunicação entre família-escola, e o aluno se sentir bem e motivado, o impacto no desempenho será notável".

Assim, para que esse objetivo final seja, de fato, alcançado, confira oitos dicas sobre aspectos básicos que devem ser considerados pelos pais na hora da escolha da escolha dos filhos. E a seguir, confira, na entrevista, mais informações que também devem ser consideradas na definição da escolha pelos pais em conjunto com os filhos:

Veja também:
Leia perguntas para se fazer antes de escolher a escola dos filhos
Saiba outros aspectos na hora escolher a escola do seu filho
Como escolher a escola certa?

Thinkstock/Getty Images
Dicas-chave apontadas pela especialista Andrea Ramal devem ser relativizadas caso a caso


Confira as dicas que podem facilitar o processo de seleção de escolas:

1. Modelo pedagógico
Os pais devem verificar se têm afinidade com o projeto pedagógico e com o método educacional. Para isso os pais precisam conhecer de antemão qual é o modelo de educação em que acreditam, e que tentam construir em casa. Assim fica mais fácil buscar uma escola que dê continuidade a princípios e valores da família.

2. Proximidade
A localização da instituição de ensino também deve ser levada em consideração. Os pais não devem escolher uma escola apenas por estar perto de casa, mas também devem avaliar que uma instituição muito distante de casa pode prejudicar a qualidade de vida da criança.

3. Testes prévios
Avaliar se a escola tem um clima favorável deve ser um item cuidadosamente analisado. É importante fazer visitar prévias e avaliar como os pais são recebidos pelos funcionários, professores e diretores, além de observar se relacionamento entre as pessoas da escola é cordial e atencioso.

Leia mais:
Eles poderiam pagar, mas colocaram o filho em escola pública
Uma escolha muito além do ranking do Enem

4. Infraestrutura
Um bom espaço físico e instalações adequadas são aspectos que podem interferir na aprendizagem. Conforto nas salas de aula, espaço arejado, limpeza, organização e ambientes que estejam alinhados com a pratica pedagógica escolar são aspectos que devem ser levados em conta.

5. Equipamentos modernos
Recursos que permitam um aprendizado atualizado, atraente e dinâmico é muito importante. Quadros multimídia, tabletes, laboratórios de informática, ciências e afins e outros ambientes como sala de leitura, biblioteca, hortas, salas de robótica e outros recursos que podem ajudar na educação são válidos. Afinal, a educação mudou e a escola precisa estar preparada para o aluno do século XXI.

6. Perfil docente
A qualidade dos professores é muito importante. Bons professores são determinantes para garantir um ensino de qualidade. É por meio do trabalho deles que o projeto pedagógico sai do papel e se torna realidade.

7. Equipe de apoio e suporte
Uma boa instituição cuida da saúde e segurança. Conta com funcionários que sabem como agir em casos de emergência, possui processos bem definidos para eventualidades e dedica atenção à alimentação balanceada. Fazer uma visita à cantina vale a pena. Além disso, checar se o espaço da escola é seguro e se possui funcionários bem treinados para transmitir tranquilidade ao ambiente escolar é importante.

8. Gestão participativa
Uma escola que se abre à participação da família é fundamental. O trabalho de parceria entre a família e a instituição é muito importante para o sucesso do aprendizado. Mas ele só pode acontecer quando a escola valoriza essa colaboração e oferece meios para promover o diálogo. Os pais precisam verificar quais são os espaços de comunicação e diálogo com os familiares, e qual a periodicidade.

Acompanhe mais notícias no canal iG Educação
Siga o iG Educação pelo Twitter
Fique por dentro de outras notícias pelo facebook do InfoEscola

Thinkstock/Getty Images
Andrea é doutora em educação pela PUC-Rio


Confira, a seguir, a entrevista com a educadora Andrea Ramal:

iG Educação: Por que é importante a família parar, pensar e planejar onde o filho deve estudar?
Andrea Ramal
: Veja o seguinte: se algum dia os pais precisam deixar seu filho na casa de amigos por algumas horas, escolhem com todo o cuidado. Verificam qual é a família na qual mais confiam, que tenha os mesmos princípios e valores que eles. Se fazemos isso ao deixar nosso filho por apenas algumas horas, quanto mais precisamos fazê-lo ao escolher a escola! Ela é uma espécie de segunda casa, onde a criança passará pelo menos 4 horas por dia, 5 dias por semana, 200 dias por ano ao longo de 12 anos. Escolher uma escola é decidir quem será o seu parceiro na educação do seu filho.

iG Educação: E como os filhos podem participar dessa escolha?
Andrea Ramal
: Eles sempre devem participar, por exemplo, no momento das conversas em casa sobre as possibilidades existentes, e também acompanhando os pais no momento da visita à escola. Conhecer o espaço, as salas de aula, os lugares de lazer. Verificar como é o clima entre as pessoas é bem importante e diz muito sobre o modelo de educação. As pessoas se relacionam bem, se respeitam? Repare como você é recebido pelo porteiro ou recepcionista. Se vocês não forem bem acolhidos, como saber que seu filho será, no dia a dia do ano letivo? A educação começa pelo portão da entrada. É preciso que, após a visita, os pais conversem com os filhos e verifiquem se eles sentiram bem nessa possível escola, se acham que serão bem-vindos e valorizados.

iG Educação: Como equilibrar a relação custo/benefício? Existem dicas práticas para comparar o melhor preço e uma localização que seja adequada?
Andrea Ramal: 
Ao escolher uma escola particular, é fundamental fazer um estudo financeiro, para verificar se a família terá condições de arcar com o investimento ao longo dos anos. Nas escolas particulares, além da mensalidade, haverá outros custos, como material didático, uniforme, lanche, atividades extras. Além disso, sou favorável à escolha de escolas em locais acessíveis. Claro que ser perto de casa não pode ser o único critério, mas deve ser levado em conta. Equilibrar os fatores investimento e localização é um dos desafios, mas não há uma fórmula: cada família deverá encontrar a solução mais adequada para seu perfil e possibilidades.

iG Educação: Como é possível investigar a escola antes de conhecê-la? Como analisar o histórico da unidade?
Andrea Ramal:
Uma forma possível é conhecer o projeto político-pedagógico. É nesse documento que cada escola registra seu modelo de educação e qual é o perfil de aluno que pretende formar. Ao ler o projeto, os pais podem avaliar se a família se identifica com essa maneira de entender a educação e se os valores que a escola reforça são aqueles em que a família acredita. Muitas escolas colocam um resumo desse texto na internet. Outra maneira é conversar com pais que tenham filhos matriculados naquela instituição e consultar se os alunos gostam das aulas, se sentem bem na escola e como é o clima no dia a dia.

iG Educação: É melhor focar em escolas que se dedicam mais à preparação para o vestibular ou outras mais voltadas a uma formação mais ampla?
Andrea Ramal:
Isso depende muito dos objetivos e da visão de mundo de cada família. No meu caso, sempre optaria por escolas voltadas para uma formação mais ampla, que busquem a excelência acadêmica, mas sobretudo a excelência humana. Escolas que ofereçam um currículo diversificado, com artes, música, esportes, tecnologias. É a chamada formação integral. Para os alunos que se saem bem nesse modelo, as provas de seleção para a universidade, como Enem ou outras, são encaradas naturalmente e a tendência é ter um bom resultado.

Leia tudo sobre: escolaescolha a escolaeducação básicadicas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas