Com picos no Norte e Nordeste, ensino superior alcança 7,3 milhões de matrículas

Por Davi Lira - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Amapá e Paraíba tiveram crescimento de 10% e 20% no nº de matrículas nas privadas; no Brasil, esse índice foi 4% apenas

Reprodução/O Dia
Nas instituições federais de ensino superior, o número de matrículas foi de 1,1 milhão

O ensino superior brasileirou atingiu, em 2013, a marca de 7,3 milhões de matrículas nos cursos de graduação, tanto nos presenciais quanto nos cursos a distância. O número representa um crescimento de 3,8% em relação à quantidade de matrículas registrada em 2012, na ordem de 7,0 milhões.

Os números revelados nesta terça-feira (9) pelo Ministério da Educação (MEC) fazem parte do Censo da Educação Superior 2013. Os dados da pesquisa anual junto às instituições de ensino mostram ainda que as universidades, centros universitários e faculdades particulares continuam concentrando a grande maioria dos registros acadêmicos do Brasil. No total, as instituições de ensino privadas representam 74% do total de matrículas de graduação. Em 2012, o porcentual era de 73%.

Acompanhe a evolução das matrículas no ensino superior brasileiro:

evolução | Create Infographics

Norte e Nordeste

Os números divulgados pela cúpula do MEC em Brasília também mostram que os Estados do Norte e Nordeste foram os que tiveram o maior crescimento porcentual no número de matrículas. Contabilizando apenas o ensino superior privado presencial – modalidade que representa a maior quantidade de registros –, percebe-se que Estados como a Paraíba, Acre, Tocantins, Piauí, Maranhão e Amapá chegaram a crescer dois dígitos, ou seja, mais de 10%.

Essa realidade dos Estados mais pobres e ex-territórios federais – muitos deles com o ensino superior menos desenvolvido –, é bem diferente do quadro de matrículas de outras regiões do País. No Rio de Janeiro, por exemplo, houve retração de 5% de 2012 para 2013. E em São Paulo, o crescimento, no mesmo período, ficou no mesmo patamar da média nacional, de 4%. Confira os dados completos da evolução no número de matrículas por UF:

+ Acompanhe mais notícias no canal iG Educação
+ Siga o iG Educação pelo Twitter
+ Fique por dentro de outras notícias pelo facebook do InfoEscola

Divulgação/UniBH
Castro alerta que regiões mais desenvolvidas "já alcançaram o teto" de crescimento

Crescimento

Para Claudio de Moura Castro, especialista em educação, o avanço no número de matrículas em Estados do Norte e Nordeste e o crescimento menos acelerado nas outras regiões tem relação direta com o desenvolvimento econômico de cada uma dessas localidades.

"Os Estados mais avançados estão chegando a um limite do que dá para crescer. Eles já cresceram muito com a classe C e também por causa do ProUni [programa federal que concede bolsas a alunos de baixa renda nas privadas]. Por outro lado, os Estados menos desenvolvidos e as cidades menores ainda têm espaço de crescimento", fala Castro.

Veja também:
Justiça autoriza aluno de universidade pública a acumular bolsa do ProUni
Estudantes estrangeiros poderão ser incluídos como bolsistas integrais do ProUni

Divulgação/Campanha Nacional pelo Direito à Educação
Cara pondera números do censo e diz que sociedade precisa ficar atenta na qualidade

Mesmo considerando positivo o crescimento das matrículas capitaneadas pelo setor privado, Daniel Cara, coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, diz que a sociedade deve estar "atenta" à qualidade do ensino dos cursos ofertados pelas particulares.

"Em termos de direto à educação, é positivo o aumento no número de matrículas no ensino superior. Mas é fato que a qualidade de parte dos cursos nas privadas ainda é muito baixo. Tem de haver a expansão, mas com qualidade. Por isso, devemos ver o Censo além do número das matrículas. É preciso melhor analisar os dados sobre evasão", fala Cara.

O coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação ainda critica o "financiamento do governo aos grupos educacionais privados". "Com o Fies [programa de financiamento das mensalidades pelo Governo Federal], certos grupos econômicos inflam os preços das matrículas. Com isso, o Tesouro Nacional acaba pagando uma matrícula, no mesmo curso, mas com uma qualidade muito inferior", fala Cara.

Leia mais:
Só em 2013, faculdades ganharam R$ 750 milhões de isenção de impostos

Cursos com mais matrículas no País

Além do crescimento mais vigoroso em Estados do Norte e Nordeste, o Censo Escolar 2013 também traz uma compilação com os cursos de graduação com o maior número de alunos matriculados em todo o País. Confira a posição completa:

Sobre o Censo

Realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) – órgão federal ligado ao MEC –, o Censo da Educação Superior é feito em regime de colaboração entre a União, Estados e o Distrito Federal.

"O Censo é uma pesquisa de participação obrigatória pelas instituições de ensino, realizada mediante a coleta de dados eletrônicos. O objetivo do Censo é oferecer aos gestores das políticas públicas e à sociedade em geral, um retrato da educação superior brasileira, além de representar uma importante fonte de consulta para análises, planejamento e tomadas de decisões relacionadas com a questão", informa o Inep.

mais dados do censo | Create Infographics
Leia tudo sobre: inepmecensino superiormatrículanortenordesteead

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas