Ideb: 61% dos municípios não batem metas no fim do ensino fundamental

Por Davi Lira - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Dos mais de 5 mil municípios, apenas 2.125 conseguiram alcançar as metas, que já são consideradas "pouco audaciosas"

A maioria dos municípios do País não alcançou as metas do principal indicador de qualidade da educação brasileira. Os dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2013, divulgados nesta sexta-feira (5) pelo Ministério da Educação (MEC), mostram que, dos 5.369 municípios com índice da rede pública calculado, apenas 2.125 (39%) alcançaram a meta de 2013.

Confira os resultados do Ideb 2013

Os números se referem aos anos finais (6º ao 9º ano) do ensino fundamental. Nessa etapa, a posição geral do País também é preocupante. Desde 2007, é a primeira vez que a meta para esse nível escolar não é alcançada. Para 2013, a meta prevista era de 4,4, e o País ficou com 4,2. 

O índice é calculado a cada dois anos e as notas são contabilizadas em uma escala de zero a dez. A média dos países desenvolvidos é 6.

Veja também:
Ensino médio piora em SP, MG e mais 14 Estados, diz índice de qualidade do MEC
Ideb: apenas anos iniciais do ensino fundamental atingem meta do governo
Ideb: Somente 4 Estados cumprem todas as metas estabelecidas pelo MEC
SP: município não tem Ideb de anos iniciais e séries finais fica abaixo da meta

“A expectativa era de que a partir da evolução nos anos iniciais [onde a meta foi ultrapassada em 0,3 ponto] a onda de melhoria chegasse aos anos finais e ao ensino médio, porém isso não ocorreu no ritmo necessário”, afirmou, por meio de comunicado, o ministro da Educação, Henrique Paim.

A situação trazida pela divulgação dos dados se torna ainda mais desafiante quando se analisa que as metas elaboradas para as escolas e redes de ensino não são "audaciosas", afirmam especialistas.

Pará, Tocantins, Maranhão, Alagoas, Santa Catarina e Rio de Janeiro são alguns dos Estados que contabilizam menos de 20% dos municípios com o dever básico cumprido. Confira a posição completa, por unidades da federação:

'Limbo'

Para a coordenadora geral do Movimento Todos pela Educação, Alejandra Velasco, os anos finais do ensino fundamental são uma etapa escolar que não está sendo "tratada" adequadamente pelos gestores e pelo poder público.

"Enquanto nos anos iniciais existe uma mobilização nacional traduzida pelo Pacto da Alfabetização na Idade Certa, os anos finais não tem absolutamente nada, ficam no limbo. E isso ocorre justamente no momento em que a criança passa por uma transição forte na escola. Precisamos propor uma articulação entre municípios e Estados para uma integração mais eficiente durante essa transição", diz Alejandra.

Quanto ao não cumprimento das metas propostas pelo Ideb, a coordenadora da ONG Todos pela Educação é taxativa: "O Ideb é importante porque dá uma certa objetividade sobre a educação. Mas claro que há outros aspectos a serem avaliados. No entanto, toda a população brasileira deveria considerar inadmissível qualquer estagnação ou regressão nos indicadores".

Veja também:
Brasil: 11 mil escolas ainda não têm energia e 60 mil não possuem rede de água

Temporários

A perda do contato mais próximo com o professor após o ingresso no ciclo 2 do ensino fundamental é ainda mais acentuada quando o docente é vinculado à rede em regime de contratação temporária, diz Heleno Araújo Filho, diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (Cnte).

"Como há muitos docentes com contratos precários, existem turmas que chegam a ter mais de três professores no mesmo ano letivo. Muitos deles não têm o seu contrato renovado, estão de quarentena ou ainda preferem sair pelas condições de trabalho. Além disso, o professor temporário não tem direito a participar de cursos de formação continuada", diz ele.

Leia mais:
1 em cada 4 professores de escolas públicas brasileiras é temporário, diz Ipea

Ideb

Criado em 2005, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) mede a evolução da qualidade do ensino brasileiro a partir de avaliações realizadas em escolas e nas redes de ensino de todo o País.

O Ideb é calculado a partir do desempenho dos alunos do 5º e 9º ano do ensino fundamental em português e matemática e em taxas de aprovação compiladas pelo Censo Escolar.

Divulgado a cada dois anos, o índice também avalia estudantes do 3º ano do ensino médio. Além das escolas públicas, as instituição privadas participam do Ideb de forma amostral.

Extra: confira o tamanho da rede escolar brasileira e os desafios de infraestrutura

CENSO ESCOLAR DO BRASIL | Create Infographics
Leia tudo sobre: mecinepidebideb 2013paimensino fundamental

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas