Baixo rendimento de alunos faz prefeitura de SP repensar escola modelo para País

Por Davi Lira - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Na Amorim Lima, uma das pioneiras da educação democrática no País, alunos acumulam baixos resultados nas provas do MEC

Getty Images/Thinkstock
Na Amorim, alunos escolhem o que querem aprender a partir de um roteiro de estudo

Considerada como um modelo de gestão da educação no Brasil, a escola municipal de ensino fundamental Desembargador Amorim Lima, localizada na zona oeste de São Paulo, vem apresentando resultados ruins nos principais índices oficiais que ajudam a medir o nível de apropriação de conhecimento pelos alunos. A situação levou à prefeitura de São Paulo a repensar agora o formato experimental adotado pela unidade de ensino fundamental desde 2003.

A postura do governo pode ser vista pela comunidade escolar como o duro golpe à lógica pedagógica seguida pela unidade, baseada no ideário das escolas democráticas. Na Amorim Lima, não há provas, os professores não seguem o currículo oficial e os alunos têm a autonomia de decidir os assuntos que vão estudar.

Acompanhe mais notícias no canal iG Educação
Siga o iG Educação pelo Twitter

Uma das principais medidas que a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo (SME) vai propor é o retorno de avaliações aos estudantes da unidade. A previsão é que a escola passe a fazer avaliações bimestrais para ser melhor monitorada pela prefeitura, como já ocorre nas demais escolas municipais. Desde que conseguiu apoio e autorização da prefeitura para adotar um regime diferente das outras unidades da rede, há 11 anos, os estudantes da Amorim Lima não fazem provas. Eles são avaliados por professores a partir da participação em atividades e realização de projetos durante as aulas. 

Mesmo com tais inovações, que contam ainda com salas sem paredes e integração de estudantes de séries diferentes em um mesmo salão, apenas 30% dos mais de 100 alunos do 5º ano conseguiram aprender o que é considerado como adequado em leitura e interpretação de textos. O porcentual é inferior à média das escolas da rede municipal de ensino da cidade de São Paulo, do Estado e até do Brasil. Em matemática, só 15% dos alunos do 9º ano aprenderam o adequado. O ideal era que ambos os índices alcançassem pelo menos 70%.

"Agora chegou o momento da cobrança mais efetiva. Exigiremos da escola uma prestação de contas mais quantificada [sobre o desempenho dos alunos]. Vamos cobrar da Amorim Lima uma melhoria nos índices. Não é possível, que o garoto que estuda numa escola como ela, não saiba fazer uma conta ou que tenha um desempenho tão básico", afirma Fernando Almeida, diretor de Orientação Técnica (DOT) da SME.

Segundo ele, porém, todas as cobranças serão feitas de forma "diferenciada", tendo em vista as particularidades da unidade. "Mas o trabalho deles deve ter alguma prova, uma documentação formal. É isso o que o Brasil espera", fala Almeida, citando a referência que a escola possui no País. Foi durante a gestão de Almeida como secretário de educação no primeiro ano da gestão da ex-prefeita Marta Suplicy que foi desenhado esse atual modelo seguido pela Amorim Lima. Há quase um ano o diretor vem acompanhando mais de perto ainda os resultados da escola.

O fato é que a situação da Amorim se torna ainda mais crítica quando se observa como o seu desempenho vem despencando a cada edição da Prova Brasil, uma das principais avaliações do Ministério da Educação (MEC). Na edição de 2007, o porcentual de aprendizado adequado em português no 5º ano era de 38%, em 2009 era de 34% e na última edição do exame chegou aos 30%. Enquanto a unidade sofre quedas subsequentes a cada edição, as escolas da capital paulista, do Estado e do País só melhoraram nessa etapa de ensino.

Os dados, oriundos do MEC, foram compilados pela Meritt Informação Educacional e pela Fundação Lemann a partir do cruzamento com a classificação de referência sobre adequação de conhecimento proposta pela ONG Todos Pela Educação. Os números foram consolidados no portal QEdu, uma plataforma online de informações educacionais reconhecida pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) - o órgão do MEC que organiza as avaliações - como um portal de confiança.

Além desses cruzamentos, ao se analisar o dados do desempenho na Prova Brasil e no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), a escola também não vai bem, especialmente nos anos iniciais do fundamental já que nos anos finais a situação é mais positiva. Houve queda do IDEB na última edição em 2011, e a unidade não alcancou a meta estipulada pelo MEC. Na Prova Brasil, os alunos do 5º ano da Amorim Lima alcançaram 181 pontos na avaliação de português. Com essa pontuação, é possível dizer que os estudantes não conseguem perceber de forma completa certas expressões metafóricas ou desfechos em histórias em quadrinhos, segundo a escala de competências do Inep.

"Mesmo tendo algumas falhas, é importante lembrar que a Prova Brasil é uma avaliação nivelada por baixo. Nela, é exigido tão somente o básico do básico do aluno. Uma pontuação de 181 é muito baixa", afirma a consultora em educação Ilona Becskehazy, especialista em avaliação de larga escala. Ilona ainda destaca que essa prova do MEC deve ser considerada pelas escolas como instrumento de análise do nível de qualidade do ensino ofertado ao estudante. "Ela não é completa por si só, mas, ao menos, por meio dela é possível monitar o direito do aluno de aprender", diz.

À pedido do iG Educação, a consultora mapeou a situação da Amorim Lima em relação a outras unidades. Segundo ela, a posição da escola é "bem pior" que as demais escolas de São Paulo. "Com essa pontuação na Prova Brasil (181), a escola está localizada juntamente com as 25% unidades com desempenho mais baixo. Quase metade das escolas municipais do Estado tem média superior à Amorim Lima nesse nível de ensino de ensino".

Questionada sobre o desempenho da instituição, a diretora da Amorim Lima, a reconhecida educadora Ana Elisa Siqueira, informou que não tem uma razão específica para justificar o baixo desempenho em português. Durante evento realizado na capital paulista recentemente, Ana Elisa afirmou que "os alunos gostam de fazer as provas". O índice de participação dos estudantes nas últimas edições das avaliações é sempre superior a 70%.

Getty Images/Thinkstock
Fundada na década de 50, a Escola Amorim Lima tem mais de 700 estudantes matriculados


Escolas Democráticas X Indicadores Educacionais

O desempenho da Amorim Lima nas provas oficiais e a nova resolução da prefeitura abrem espaço para uma outra discussão: a valoração de índices objetivos de desempenho como critério de qualidade. O debate fica ainda mais intenso quando as instituições em questão são unidades que se baseiam na lógica das escolas democráticas, que têm como preceitos a valorização da gestão democrática e o enfoque na formação cidadã.

"Eu não conheço nenhum país sério que tenha uma escola púbica que não precisa mostrar resultados. Nada contra escolas experimentais ou regras menos flexíveis, mas as instituições precisam prestar as contas durante e depois de todas as inovações que propuserem", afirma Claudio de Moura Castro, ex-diretor da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), agência federal que também tem entre suas missões melhorar a qualidade educação básica no País.

Tendo como outros pilares o aprendizado por interesse e participação da comunidade na vida escolar, unidades como a Amorim Lima - que seguem esses ideários das escolas democráticas - propõem uma verdadeira quebra da lógica utilizada pela escola tradicional, geralmente mais conservadora e enfadonha para o estudante deste novo século.

O sucesso entre pesquisadores de todo o país e da comunidade escolar, que elogiam a forma como é conduzida a unidade, faz com que os educadores coloquem a Amorim Lima como um exemplo que deveria servir de inspiração para instituições de todo o país. Atualmente, no Brasil, existem algumas dezenas de escolas e organizações que se autodenominam "democráticas", tanto públicas quanto privadas. Muitas delas não seguem o currículo tradicional nem a formatação habitual dos conteúdos como as demais escolas.

Confira relação de escolas com práticas inovadoras e democráticas:

Mesmo com a aprovação de pais e alunos, o fato é que a prefeitura não está satisfeita com os resultados da Amorim Lima nas avaliações do MEC. A postura do governo paulistano, contudo, é criticada por outros especialistas.

"As provas avaliam determinados aspectos, não o conjunto. Na Amorim, uma coisa que eles valorizam muito é o protagonismo dos alunos. Ela pode estar mais fraca no português, mas tem uma atitude mais positiva na construção do conhecimento e da autonomia do estudante. Avaliações de larga escala não conseguem pensar nesse tipo de coisa", diz Silvia Colello, professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

Alan Sampaio / iG Brasília
Um dos "pais" da educação democrática no Brasil, José Pacheco critica posição da SME

A opinião é compartilhada pelo educador português José Pacheco, idealizador da Escola da Ponte, instituição à qual a Amorim Lima se baseou para a implantação do seu atual modelo pedagógico. "O IDEB não é capaz de avaliar uma educação integral. O ´D´ da sigla não é de desenvolvimento, o `D` é de decoreba. Proponho à prefeitura a realização de um debate sério sobre avaliação, sem certezas absolutas, mas um debate sobre uma avaliação mais fraterna e construtiva", diz Pacheco.

O educador que hoje reside no Brasil, contudo, acredita que "ao ter um IDEB alto, ninguém vai poder falar mal de escolas inovadoras" como a que ele atualmente conduz em Cotia (SP), o reconhecido Projeto Âncora. "Queremos provar para o Brasil que é possível oferecer uma educação integral e ter um IDEB 10. É o que pretendemos no Âncora: ser a primeira escola com nota máxima no IDEB", afirmou durante conferência na capital paulista nesta quarta-feira (22).

O presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), José Fernandes de Lima, é outra voz que também afirma ser "necessário relativizar" os resultados das avaliações externas. "Essas provas não são capazes de avaliar nem um décimo do que é a escola, isso é um ponto. Por outro lado, não devemos desconsiderá-las por completo. É por isso que defendemos que o MEC crie um sistema mais eficaz que permita as escolas melhor se apropriarem dos resultados observados pelos exames. Hoje, elas não conseguem traduzir a nota em melhoria dos processos pedagógicos", diz Lima.

Ainda segundo ele, países estrangeiros estão atualmente criticando o formato dessas avaliações em larga escala. Recentemente, por exemplo, um grupo de renomados educadores estrangeiro criticaram o Pisa, a principal avaliação de estudantes do mundo. Segundo eles, o exame tem levado as escolas a se preocuparem demasiadamente em ficarem bem colocadas em rankings, ao invés de estarem voltadas para o desenvolvimento de outras dimensões da educação, como as mais vinculadas às habilidades socioecomocionais, por exemplo.

Thinkstock/Getty Images
Escola refuta informação da Secretaria de Educação de que 'baixo rendimento' seria justificativa para repensar modelo

Nota de esclarecimento da Escola Desembargador Amorim Lima

Em comunicado reencaminhado pela Secretaria Municipal de Educação de São Paulo ao iG Educação nesta terça-feira (27), a escola Desembargador Amorim Lima informa que o rendimento dos alunos não é baixo.

E contrariando o que foi dito pelo diretor de orientação técnica da SME, Fernando Almeida - representante oficial da Prefeitura -, "o alegado ´baixo rendimento´ do Amorim não foi o que levou a Prefeitura a repensar a ´escola modelo´. O que existe é um projeto de reforma curricular chamado ´Mais Educação São Paulo´, que se refere a toda a estrutura escolar de São Paulo".

A escola ainda informa que a reportagem se baseia em dados gerais. "Os dados do 5º ano, fase de transição, realmente, os alunos do Amorim ficam abaixo da média". Mas no 9º ano, ao final do ensino fundamental, os alunos "recuperaram essa queda".

Segundo a unidade escolar, ao afirmar que “em matemática, só 15% dos alunos do 9º ano aprenderam o adequado”, a reportagem não mencionou que o porcentual de aprendizado de escolas municipais do Brasil é de 11%, do Estado de São Paulo é 15% e de outras escolas municipais da cidade é de 10%.

A instituição ainda informa que "teve resultados superiores na Prova São Paulo" - avaliação extinta pela Prefeitura - e que a reportagem "não deixou claro" que o índice de 70% de aprendizado adequado - expresso na matéria como um índice "ideal" - é uma meta a ser alcançada até 2022.


*Atualização (às 19:05 do dia 27/05/2014): inclusão da nota de esclarecimento
da escola Desembargador Amorim Lima.

*Atualização (às 15:27 do dia 22/05/2014): substituição de imagens por
solicitação da administradora da página da Amorim Lima no Facebook.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas