Professores estaduais e municipais do Rio continuam em greve

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com os professores, cerca de 27 mil, ou 30% do total de docentes, aderiram à paralisação que atinge todo o estado

Agência Brasil

Cerca de 3 mil professores aprovaram nessa quinta-feira (15), por unimidade, a continuidade da greve no estado e no muncípio do Rio de Janeiro. A paralisação começou na última segunda (12), em protesto por reajuste salarial de 20%, redução da jornada semanal de trabalho dos funcionários administrativos para 30 horas e reserva de um terço da carga horária para preparar aula.

Os profissionais se reuniram no Club Municipal, na Tijuca, onde escolheram uma comissão para negociar com o Poder Público. "Ainda não fomos recebidos pelos governos. Queremos negociar", disse Marta Moraes, diretora do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ).

De acordo com os professores, cerca de 27 mil (30% do total) estão parados em todo o estado. O número é cem vezes maior do que o confirmado pela Secretaria de Educação do Rio de Janeiro, que até essa quinta informava que apenas 0,3% da categoria ou 269 profissionais estão em greve.

Na quarta (14), as secretarias municipais e estaduais anunciaram corte de ponto dos grevistas, depois de o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux ter suspendido, na terça, o acordo que encerrou a greve da categoria em 2013. A decisão foi tomada depois de reunião com a prefeitura e o governo do estado.

A categoria alega que foi convidada de última hora para a reunião em Brasília e, portanto, não teve como consultar os colegas para se posicionar sobre o econtro com o ministro. "Fomos notificados na véspera e a reunião foi às 10h", disse a diretora do Sepe, Wiria Alcântara. "Além disso, a audiência em Brasília só faria sentido se houvesse esgotado a etapa de negociação, que sequer tivemos", completou.

Leia tudo sobre: Educação BásicaGreveProfessor

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas