Segunda prova da Fuvest é marcada por questões difíceis, dizem professores

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Docentes destacaram que prova tinha questões inusitadas e com interdisciplinaridade; vestibular termina nesta terça

Agência Estado

O penúltimo dia de provas da segunda fase da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), exame para a Universidade de São Paulo (USP), foi considerado difícil por candidatos e professores. "A prova tinha questões inusitadas, que exigiam grande conhecimento, interdisciplinaridade e iniciativa do aluno", diz Luís Ricardo Arruda, coordenador-geral do Anglo Vestibulares.

Conheça a home do Último Segundo

Futura Press
Vestibulandos fazem prova para o 2º dia da segunda fase da FUVEST na UMC da Vila Leopoldina, em São Paulo (SP)

O diretor pedagógico da Oficina do Estudante, Célio Tasinafo, destacou a utilização de materiais gráficos. "Teve cartum, mapas, tabelas. Era preciso saber interpretar as linguagens". A coordenadora do curso Objetivo, Vera Lúcia da Costa Antunes, ressaltou a questão que trazia uma suposta comissão de senadores a ser formada no Congresso. "Se (o candidato) não soubesse Geografia, não faria a fórmula matemática. Era preciso usar probabilidade e análise matemática. Foi uma ‘questão cabeluda’", diz.

O vestibulando Rafael Castelhano, de 19 anos, disse que deixou três ou quatro questões de Exatas em branco. Apesar disso, acha que foi bem. "Não fiquei tentando fazer o que não sabia", diz ele, que busca uma vaga em Letras.

Os candidatos fizeram nesta segunda-feira questões de História, Geografia, Matemática, Física, Química, Biologia e Inglês. 

Leia tudo sobre: GERALuspfuvestvestibularprovas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas