Alckmin segue Haddad e aumenta chance de reprovação na rede estadual de ensino

Por Julia Carolina | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Mudança no modelo de progressão continuada prevê reprovação no 3º, 6º e 9º anos do fundamental

A Secretaria de Estado da Educação de São Paulo anunciou na manhã desta sexta (8) mudanças no sistema de progressão continuada no ensino fundamental. Uma alteração que vai afetar 2,5 milhões de alunos em todo o Estado. 

Conheça a home do Último Segundo

A partir do próximo ano, haverá a ampliação de dois para três os ciclos no Ensino Fundamental, o que significa que a possibilidade de retenção passará a ocorrer no 3º, 6º e 9º ano.

Atualmente, no modelo que ficou conhecido pejorativamente como "aprovação automática", os alunos podem ser retidos apenas no 5º e no 9º ano.

Durante o anúncio, o governador Geraldo Alckmin elogiou a progressão continuada e afirmou que ela é adotada em todo o Pais. "Quando o aluno falta muito ele é reprovado pelas faltas. Mas se ele não falta, por que ele não aprende?", afirmou lembrando ainda que a reprovação leva à evasão escolar. Mas disse que em alguns casos a reprovação é necessária. "Mas a ideia não é reprovar, é fazer mais reforço escolar", disse.

Segundo o secretário de Estado da Educação, professor Herman Voorwald, uma das razões para o aumento das possibilidade de reprovação é a origem dos alunos. "82% dos alunos que se matriculam nos anos finais do ensino fundamental vêm da rede municipal de ensino". 

Questionado sobre o assunto, Alckmin também reforçou a importância de avaliar os alunos da rede municipal. "Você tem dois objetivos: avaliar no 3º ano, para que eles não fiquem cinco anos sem avaliação para reprovação. E no 6º ano porque é o aluno que está vindo de fora. Então você [o aluno] fazer nesse 6º ano um esforço para recuperar", afirmou.

Seria uma indicação de que a inserção da reprovação no 6.º ano é uma resposta a essa situação de deficiência de aprendizado dos alunos oriundos das redes municipais.

Rede municipal

A alteração no modelo de reprovação anunciado pela rede estadual acontece um mês após o prefeito Fernando Haddad ter anunciado a reforma da educação municipal, que aumentou de 2 para 5 as séries em que o aluno do ensino fundamental pode ser reprovado.

Apesar disso, o governador Geraldo Alckmin negou que haja qualquer relação entre as duas decisões. "Não teve nenhuma interferência. Esta é uma medida que vem sendo estudada por nós há mais de dois anos", disse.



compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas