Manifestantes cercam prefeito em cidade que teria reduzido salário de professor

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Durante protesto inspirado por restante do País, prefeito foi ao banco pessoalmente para antecipar pagamentos dos docentes e acabou preso no local por seis horas

Em Juazeiro do Norte, no Ceará, a causa dos professores, que reclamam de uma redução de 40% no salário desde o começo do mês, ganhou a simpatia de manifestantes inspirados no que ocorre em todo o País. Embora o município tenha apenas 200 docentes, um protesto contra a mudança na lei de gratificações para educadores reuniu na terça à tarde, cerca de 5 mil pessoas. O prefeito Raimundo Macedo (PMDB) decidiu, então, ir ao banco e antecipar o pagamento dos professores para provar que não haveria redução salarial. Foi cercado pela multidão. 


Reprodução
Trecho da lei aprovada em Juazeiro do Norte (CE) que garantiria não haver redução na remuneração final


De acordo com a Prefeitura, o projeto de lei que tem gerado protestos desde o início do mês foi mal entendido pelo Sindicato. Apesar de haver mudanças nas gratificações, o texto garantiria que não haverá redução na remuneração final para os servidores. O Sindicato, no entanto, insiste que alguns poderiam ganhar até 40% menos. O impasse seguia com pequenos protestos e greve desde o início do mês até ontem.

Início dos protestos na cidade: Professores reclamam de redução de 40% no salário

Nesta terça-feira, o grupo engrossou. Outros cidadão e estudantes, especialmente jovens universitários como ocorre no restante do País, se juntaram aos professores e pediram a saída do prefeito e dos vereadores. Quando souberam que o próprio Raimundo Macedo estava na agência bancária do Banco do Brasil do centro da cidade, cercaram o local às 17h.

Apenas seis horas depois, escoltado pela polícia, o chefe do executivo da cidade deixou o local. Segundo a Prefeitura, o pagamento dos professores que seria feito no último dia do mês cairá em suas contas correntes na sexta-feira e será possível perceber que a lei não reduz salários.

O caso de Juazeiro do Norte era um dos mais citados por manifestantes indignados com a ação de políticos em todo o País.

Leia tudo sobre: juazeiro do norteprofessores

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas