Faculdades pequenas querem avaliação diferente do MEC

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Com baixos conceitos, instituições reclamam que precisa haver contextualização. Governo diz que não vai flexibilizar a avaliação das instituições de ensino

Agência Brasil

Instituições de ensino superior particulares de pequeno e médio porte pedem mudanças nas avaliações do Ministério da Educação (MEC) e uma maior participação no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Reunidos em Brasília nessa terça-feira (9), representantes dessas instituições apresentaram dados e discutiram problemas e avanços no setor.

Clique aqui para ver o ranking dos cursos superiores em 2011

Clique aqui para ver ranking de instituições superiores de 2011

Segundo dados divulgados pelo Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp), as instituições de ensino privado com até 2 mil alunos representam 59% do ensino superior no Brasil. "São instituições diferentes das de grande porte. A maioria está localizada no interior, nos locais aonde as grandes não chegam. Elas estão inseridas no contexto local e apresentam muitas vantagens tanto para os estudantes quanto para os contextos em que estão inseridas", destacou a diretora acadêmica da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (Abmes).

De acordo com a diretora, essas instituições deveriam receber uma avaliação de qualidade de acordo com o contexto em que estão inseridas. "Muitas tem conceito 1 ou 2 no MEC [considerado insuficiente] por não cumprirem as exigências de formação do professor, que devem ser mestres ou doutores, e de dedicação mínima de 20 horas semanais dos docentes". Segundo ela, isso não diminui a qualidade ou a importância da instituição.

A Faculdade de Tecnologia de Piracicaba (Fatep), com cinco anos de existência, é a primeira voltada para o setor na cidade paulista. Na região, está instalada a fábrica de automóveis Hyundai Motor Brasil e, de acordo com o diretor e mantenedor da instituição, Marcos Antonio de Lima, muitos estudantes trabalham no setor. "Para mim seria melhor contratar professores que tivessem contato diário com o mercado, mesmo que não tenham títulos acadêmicos. Mas, para obter uma boa avaliação, tenho que ceder em alguns pontos."

Ele disse que, em relação à carga horária, para cumprir as 20 horas semanais, professores têm que dar aulas além da disciplina principal, de outras relacionadas à competência. "Em vez disso, poderia ter duas jornadas parciais de professores especialistas nessas competências, ou mesmo horistas [pessoas que têm a remuneração calculada por hora de trabalho], que dividissem o tempo entre a sala de aula e o mercado de trabalho."

Outra demanda das instituições é uma maior participação no Fies. A concessão do financiamento atrairia mais estudantes e tornaria as faculdades mais acessíveis. No entanto, para participar do programa, as instituições precisam de uma avaliação positiva, o que não ocorre com grande parte delas.

Outra situação enfrentada pelas pequenas instituições é a concorrência com as de grande porte. De acordo com os números divulgados pelo Semesp, em 2009, os estabelecimentos de pequeno porte somavam 1.363. Em 2011, o número caiu para 1.231.

"Temos que enfrentar o poder e a força política e econômica dos grandes grupos. A nossa faculdade já recebeu ofertas de compra mais de uma vez", disse a diretora acadêmica da Faculdade Nobre de Feira de Santana (BA), Célia Chistina Silva Carvalho. A faculdade é destinada principalmente a cursos na área da saúde. "Foi feito um levantamento e esses cursos foram identificados como as maiores demandas."

A instituição atende, na maioria, a jovens do entorno da região. "A faculdade representa um vetor de desenvolvimento inquestionável e contribui para a interiorização da educação", diz Célia.

Resposta do MEC
O MEC afirmou, por meio de nota, que não vai flexibilizar a avaliação das instituições de ensino superior privadas de pequeno e médio porte. 

No final do ano passado, o MEC anunciou a suspensão de vestibulares dos cursos com avaliação insatisfatória reincidente. Essas instituições deixaram de ter acesso às bolsas do Programa Universidade para Todos (Prouni) e vagas por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Os cursos mal avaliados também foram excluídos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

O MEC diz que "todas as medidas adotadas vão na direção da expansão do sistema – uma demanda importante –, mas com a contrapartida inequívoca de uma oferta de qualidade"

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas