Ministério Público denuncia racismo em escola contra Guarani-kaiowá

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Indígenas teriam sofrido injúrias e sido expulsos de instituição pública em Mato Grosso

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul encaminhou nesta quarta-feira (20) ofício à Delegacia da Polícia Federal (PF) em Ponta Porã requisitando a instauração de inquérito policial para investigar a prática dos crimes de racismo e injúria racial contra estudantes indígenas de Antônio João, município localizado no sul do estado.

O órgão recebeu denuncia protocolada também na Fundação Nacional do Índio (Funai) pelo movimento indígena Aty Guasu que relata a expulsão de jovens guarani-kaiowá de uma sala de aula do primeiro ano do ensino médio da escola estadual Pantaleão Coelho Xavier. Segundo o documento, os adolescentes teriam sido retirados pelo diretor da instituição sob alegação de serem “sujos”, “fedidos” e “pouco higiênicos”.

A representação detalha, ainda, que a medida foi tomada após pressão de professores e estudantes não-indígenas e que os jovens, depois da humilhação sofrida, se recusam a retomar os estudos.

Crimes raciais

O MPF requisitou que sejam ouvidos, no inquérito policial, lideranças da Aldeia Campestre, estudantes indígenas e o diretor da escola estadual. Se demonstrada a prática de crimes raciais, os autores podem responder, em processo penal ajuizado pelo MPF, tanto por racismo (discriminação ou preconceito contra a etnia), quanto por injúria racial (ofensa à dignidade dos jovens indígenas).

Ambos os crimes são puníveis com reclusão de um a três anos e multa. As penas podem ser aplicadas cumulativamente.

Leia tudo sobre: gGuarani-kaiowáeducação indígenaracismo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas