UFMG vai apurar trote racista em 30 dias

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Uma das punições cabíveis a alunos acusados de divulgar fotos com teor preconceituoso e com apologia ao nazismo é a expulsão

Agência Estado

Estudantes da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) podem ser expulsos da instituição por causa de um trote considerado racista e com apologia ao nazismo. Essa é uma das penalidades previstas pela comissão de processo administrativo-disciplinar criada nesta terça-feira pela universidade para apurar o caso.

USP São Carlos: Alunos dizem à polícia que ficaram pelados em trote 'por brincadeira'
Brasília: UnB aprova proibição de trote sujo e bebida no câmpus

O trote ganhou repercussão após estudantes divulgarem fotos em redes sociais da internet mostrando uma aluna pintada de preto, acorrentada e com um cartaz pendurado no pescoço com a inscrição "caloura Chica da Silva". Era uma referência a Francisca da Silva de Oliveira, escrava alforriada que viveu com um rico comerciante de diamantes no século XVIII na atual Diamantina (MG). Uma segunda foto mostra um calouro amarrado a uma pilastra com estudantes fazendo a saudação nazista ao seu lado.

Reprodução
Imagem onde caloura pintada de preto aparece acorrentada junto a uma placa "caloura Chica da Silva"

Segundo a assessoria da UFMG, a comissão, integrada por professores e funcionários administrativos da instituição, tem 30 dias para dar um parecer sobre o caso. A expulsão é a penalidade mais grave, mas o regimento da universidade prevê também a possibilidade de os estudantes receberem advertência ou serem suspensos por um período de dez a 30 dias.

A repercussão do trote também mobilizou diversas entidades. Aproximadamente 300 pessoas participaram na tarde desta terça de reunião promovida pela Assembleia Nacional dos Estudantes Livre (Anel) e pelo Movimento Mulheres em Luta (MML) no Centro Acadêmico Afonso Pena (CAAP), localizado na Faculdade de Direito da UFMG. Os estudantes divulgaram uma carta de repúdio contra o trote "respaldado pelas diversas opiniões manifestadas pelo corpo discente".

O documento afirma também que o Centro Acadêmico "repudia veementemente" "o assédio virtual que tem recaído sobre os protagonistas das fotos". "Devem ser respeitados os direitos individuais de todos os envolvidos", afirma o texto.

Na segunda-feira (18), a direção da universidade já havia divulgado nota, assinada pelo reitor Clélio Campolina e pela vice-reitora Rocksane Norton, na qual "repudia quaisquer atos de violência, opressão, constrangimento ou equivalentes, praticados contra membros da comunidade universitária, em particular aqueles relacionados aos chamados 'trotes' aplicados aos novos estudantes".

Leia tudo sobre: troteUFMG

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas