Secretários da Educação rebatem metas divulgadas por ONG

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Gestores dizem que é necessário conheçer previamente os indicadores que levaram à composição das metas sobre aprendizado do Todos pela Educação

Agência Brasil

O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) divulgou esta semana nota que rebate as metas estipuladas pelo Todos pela Educação (TPE), movimento da sociedade civil brasileira. O conselho divulgou no dia 6 de março relatório que mostra, entre outras coisas, que estudantes do ensino médio têm desempenho inferior ao estipulado pelo TPE para o período.

Relatório:
Total que aprende o mínimo de matemática no ensino médio cai para 10%
Frequência: Brasil tem 3,6 milhões de crianças e adolescentes fora da escola em 2011 

A nota explica que as secretarias de Educação, com assistência do Ministério da Educação (MEC), "têm envidado [empregado] esforços no sentido de alcançar as metas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica [Ideb] e superar os desafios impostos pela sociedade contemporânea à educação e ao contexto escolar".

O Ideb foi estabelecido pelo MEC como indicador de qualidade das escolas e, segundo o conselho, as metas estipuladas para cada período escolar são amparadas em "diagnósticos provenientes de pesquisas, estudos e avaliações". De acordo com o MEC, os dados de 2005 a 2011 mostram que as metas oficiais foram cumpridas.

A nota informa que o Consed considera relevante o relatório do TPE, porém acredita que é "necessário que gestores, ou seja, secretários de Educação, diretores, equipes técnicas, professores e comunidade escolar conheçam previamente os indicadores que levaram à composição das metas, a sua forma de acompanhamento, além das ações de suporte, para que sejam alcançadas conforme previsto, a exemplo das metas do Ideb tão presentes no cotidiano escolar e perseguidas por todos os educadores".

Ferramenta: Porcentual de alunos com aprendizado adequado à série por cidade

O conselho também diz que "já se tem indicadores suficientes para a promoção de uma educação com a qualidade condizente a um país que atualmente representa uma das maiores economias do mundo. No entanto, há que se pensar e conjugar esforços entre os diversos setores da sociedade para a concretude desse desafio".

No relatório divulgado no dia 6, o movimento Todos pela Educação estabelece metas para que até 2022, ano do bicentenário da Independência do Brasil, o país assegure a todas as crianças e jovens o direito à educação básica de qualidade. Para que o objetivo seja cumprido, com o auxílio de especialistas, foram estipuladas metas a serem buscadas e cobradas pelo movimento.

No estudo De Olho nas Metas, há um parágrafo que esclarece que "se traduzida para notas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, a Meta 3 do Todos Pela Educação supera os 6,5 pontos nos três anos avaliados [5º ano, 9º ano e 3º ano do ensino médio]. Portanto, é mais ambiciosa do que as metas do Ideb estabelecidas pelo governo para o País [6 para os anos iniciais da Ensino Fundamental, 5,5 para os anos finais da mesma etapa e 5,2 para o ensino médio]".

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas