Portugal oferece cursos mais fracos que os do Brasil no Ciência Sem Fronteiras

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Avaliação de universidades fez governo oferecer a intercambistas a chance de trocar de país

Agência Estado

Dos 2.587 bolsistas do programa Ciência Sem Fronteiras (CsF) que já estão em Portugal – o segundo principal destino do programa –, quase 70% foram para universidades consideradas mais fracas que as principais instituições brasileiras ranqueadas pelo SCImago, reconhecido grupo de pesquisa internacional que classifica os melhores locais para se estudar na América Latina, Portugal e Espanha.

Novidade: Exigência de língua estrangeira cai e intercambistas podem escolher país 

A situação – que preocupa os gestores do programa e custa aos cofres públicos R$ 48 milhões por ano – fez com que o governo federal agisse. Na sexta-feira, cerca de 9,7 mil candidatos ao intercâmbio em Portugal foram notificados pelo CsF sobre a possibilidade de trocarem de país.

Agência Brasil
Universidade de Coimbra tem metade dos bolsistas de graduação do Ciência sem Fronteiras em Portugal

Para chegar aos números, o Estado cruzou as informações sobre a quantidade de bolsas implementadas até janeiro de 2013 com o atual ranking ibero-americano da SCImago. Foram considerados índices de qualidade da produção científica e internacionalização dos pesquisadores.

Com base no prestigioso ranking QS World Universities, quando se compara o curso de Engenharia Civil da UFRJ com o da Universidade de Coimbra - que recebe a maior quantidade de brasileiros -, a instituição do Brasil se sai melhor.

No próprio site da Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior (Capes), umas das administradoras do programa, nenhuma universidade portuguesa é sequer listada como referência na seleção de melhores instituições europeias, muito menos na relação das mais destacadas em Engenharia e Tecnologia, área prioritária para o programa. 

Reforço: Governo vai oferecer cursos de inglês para universitários

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), também gestor do programa, diz que busca parcerias com as melhores universidades "disponíveis". O CNPq informa ainda que o Ministério da Educação está desenvolvendo o programa Inglês sem Fronteiras para aumentar o número de bolsistas enviados para EUA, Canadá, Austrália e Grã-Bretanha.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas