Governo de SP apresenta proposta de cotas de 50% nas universidades até 2016

Projeto cria colégio comunitário com cursos de dois anos para alunos de escolas públicas com ingresso pela nota do Enem ou Saresp

iG São Paulo |

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou nesta quinta-feira uma ousada proposta para mudar o acesso às universidades de São Paulo (USP), Estadual de Campinas (Unicamp) e Estadual Paulista (Unesp). Desenvolvido pelos reitores das universidades paulistas e pelos secretários de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia e Educação , o Programa de Inclusão com Mérito no ensino Superior Público Paulista (Pimesp) vai garantir 50% das matrículas em cada curso e em cada turno para alunos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas até 2016.

A quantidade de vagas destinadas aos estudantes da rede pública será implantada gradativamente, começando com 35% em 2014, 43% em 2015, chegando aos 50% em 2016. Dentro dessas vagas deverá ser respeitada uma participação de pretos, pardos e indígenas igual à proporção registrada no Estado de São Paulo, que é de 35%. A proposta ainda tem que ser aprovada pelos conselhos das universidades.

Governo de SP
Governador Geraldo Alckmin apresentou proposta no Palácio Bandeirantes

Para se atingir as metas, são necessários mais 4.520 estudantes oriundos de escolas públicas, de acordo com cálculos das universidades realizados com base no número de matriculados em 2012. Desses, 2.543 seriam autodeclarados pretos, pardos e indígenas.

A principal inovação é a criação de um colégio comunitário que será opção ao vestibular e principal porta de entrada para o ensino superior de alunos cotistas – em especial os de baixa renda e, em menor escala, pretos, pardos e indígenas. O colégio é o diferencial da proposta em relação à Lei de Cotas federal, que provocou o debate em São Paulo .

Chamado de Instituto Comunitário de Ensino Superior (Ices), o colégio – inspirado nos “community colleges” americanos – vai oferecer cursos superiores com duração de dois anos a esses estudantes. Ao todo, são 2 mil vagas para os alunos das escolas públicas, das quais mil são reservadas para negros, pardos e indígenas. A seleção para ingresso no Ices será realizada de acordo com o desempenho dos candidatos no Enem ou no Saresp, a ser definido pelo Conselho de Reitores.

Projeto: Programa da Unicamp inspira proposta de cotas nas estaduais paulistas
Inclusão na Unicamp: Eles não prestaram vestibular, mas entraram na universidade

Os cursos do Ices garantem, ao final do primeiro ano, para alunos com aproveitamento superior a 70%, ingresso garantido em cursos da Faculdade de Tecnologia (Fatec). Quem terminar os dois anos, ganha diploma de ensino superior e pode ingressar automaticamente nas universidades públicas estaduais, desde que também tenha aproveitamento mínimo de 70%. A escolha do curso nas universidades também será por meritocracia, ou seja, quem tiver notas melhores no Instituto Comunitário tem prioridade.

Os alunos da rede privada continuam prestando vestibular normalmente, e os de públicas que não quiserem ingressar no colégio comunitário podem se valer da bonificação na seleção tradicional.

Retrospectiva 2012: Lei das cotas só mudará universidades em alguns anos

O governador anunciou ainda a criação de um fundo especial para bolsas de meio salário mínimo (R$ 311) aos alunos com renda familiar inferior a 1,5 salário mínimo, para suprir necessidades de transporte e alimentação. Os contemplados serão avaliados mensalmente quanto à participação em atividades escolares. "Não adianta só criar a cota e o aluno entrar na universidade e ter que desistir por não ter como se manter. Isso vai evitar a evasão", destacou Alckmin.

O Pimesp prevê investimentos de R$ 27,017 milhões em 2014 e deve atingir R$ 94,679 milhões em 2021 e a previsão é que as vagas sejam reservadas na USP, Unesp, Unicamp, Fatecs e nas Faculdades de Medicina de Marília e Rio Preto.

*Com Agência Estado

    Leia tudo sobre: cotasuniversidadesUSPUnicampUnespAlckminensino superior

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG