Em busca de melhores opções de cursos, percentual dos que se deslocam para frequentar ensino superior é de 29,2%

Morar em um município e estudar em outro é realidade de 7,26% dos estudantes brasileiros, segundo dados do Censo Demográfico 2010 divulgados nesta quarta-feira. A necessidade de realizar deslocamento diário por motivos de estudo foi analisada pela primeira vez em separado das de trabalho no último levantamento censitário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e indicou um contingente de 4.301.914 (7,2%) crianças ou adultos que declararam frequentar escola ou creche em outra cidade e 37.059 (0,06%) em um país estrangeiro.

Ensino superior: 38% se forma na área de ciências sociais, negócios ou direito

Perspectivas: Mercosul terá programa de mobilidade estudantil 

Essa necessidade, uma das consequências das concentrações urbanas brasileiras, aumenta na medida em que se eleva o nível do curso frequentado. Enquanto o percentual é pouco significativo para creches (2%) e pré-escola (2,1%), etapas escolares cuja oferta é de responsabilidade dos municípios, chega a 29,2% nos cursos superiores de graduação e 32,6% nos de pós-graduação. Da mesma forma, o deslocamento a países estrangeiros fronteiriços é realizado por 1,1% dos alunos de cursos de especialização de nível superior, mestrado ou doutorado, mas é irrisório nas demais etapas (0,2%).

Pessoas que frequentam escola ou creche fora do município de residência

Dados percentuais apresentados em relação ao total de crianças e adultos que estudavam em 2010

Gerando gráfico...
IBGE, Censo Demográfico 2010

A tendência é confirmada na análise do deslocamento por grupos de idade. O índice de alunos que vão a outra cidade para estudar começa a ser significativo a partir dos 20 anos. Na faixa que vai dos 20 aos 24 anos, 21,1% se deslocam e de 25 a 29 anos, idade em que as pessoas deveriam frequentar o ensino superior, 21,1% o fazem. Já para quem tem mais de 45 anos, o motivo principal para se deslocar são os cursos de alfabetização de adultos, ensino fundamental e médio.

Decisão: Trocar de cidade ou insistir em estudar perto de casa?

Para buscar oportunidade de estudo fora do local de residência, é preciso ter uma renda que permita a mobilidade. Quanto mais as pessoas ganham, mais se deslocam, principalmente aqueles que moram na zona rural, tradicionalmente com escassez de oferta de ensino.

Em 2010, 7,1% da população urbana e 7,6% da rural estudavam em outro município. Entre as famílias com renda per capita de até um quarto do salário mínimo, só 2% da população urbana e 5,25% da rural se deslocam. Entre os com rendimento acima de 5 salários mínimos os percentuais vão a 15,7% na cidades e 32,8% na zona rural.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.