Para Cremesp, MEC tem responsabilidade pelo fraco desempenho de formandos

Para presidente da entidade, médico Renato Azevedo Júnior, Ministério da Educação não age no sentido de punir faculdades de medicina de baixa qualidade

Agência Brasil |

Agência Brasil

O Ministério da Educação (MEC) tem “grande responsabilidade” sobre o fraco desempenho dos formandos em medicina no exame do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) , afirmou o presidente da entidade, o médico Renato Azevedo Júnior. Segundo ele, o Ministério tem conhecimento, por meio do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), da baixa qualidade de diversas faculdades de medicina, mas não age para puni-las.

“Entre as faculdades que participam do Enade têm pelo menos 16 que por três anos consecutivos tiraram conceitos 1 e 2. Um conceito ruim, porque o Enade vai de 1 a 5. E o que ocorreu com essas faculdades? Quais foram as providências tomadas? Nenhuma. Elas continuam funcionando com o mesmo número de alunos”, disse Azevedo em entrevista à Agência Brasil.

Em 2010: Prova prática para formados em medicina reprova 68%
Em 2011: 46% dos formandos não passam em teste do Conselho em SP

“O MEC tem o dever, inclusive, de fechar essas escolas. Ou obrigá-las a readequar no sentido da qualidade da formação do médico. Nós queremos demonstrar, e vamos levar isso ao MEC, de que é urgente que se faça alguma coisa para melhorar o ensino médico no Brasil”, acrescentou.

Nesta quinta-feira, 6, o Cremesp divulgou o resultado da prova aplicada, em novembro, aos recém formados dos cursos de medicina no estado de São Paulo. Mais da metade, ou 54,5% dos 2.411 candidatos que tiveram a prova válida, não alcançaram a nota mínima exigida, de 60% de acerto (ou, ao menos, 71 das 120 questões). Foi a primeira vez que todos os formandos foram obrigados a fazer a prova – sem a necessidade de aprovação – para poder retirar o registro médico.

Manifestação: Estudantes da Unicamp protestam contra Cremesp

“(O resultado) não surpreendeu no sentido de que é um resultado semelhante ao que a gente já vinha tendo nas outras sete edições. Por outro lado, é uma coisa muito preocupante. O aluno que não consegue acertar 60% de uma prova desse tipo, de aferição do conhecimento mínimo, tem problemas na formação e vai ter dificuldades para exercer uma medicina de boa qualidade”, disse Azevedo.

Para o diretor da Associação Médica Brasileira, José Luiz Bonamigo, o fraco desempenho dos estudantes pode ser explicado pela estrutura deficiente das faculdades, a péssima avaliação interna dos alunos e a falta de punição às escolas ruins . “A gente, hoje, tem faculdades, não só privadas, mas públicas, que abrem sem ter um hospital, sem ter uma rede de postos de saúde credenciada para os alunos poderem atender aos pacientes”, declarou.

“A deficiência do ensino médico é uma realidade há alguns anos no Brasil. Os alunos não têm um campo de estágio adequado e a avaliação é muito ruim durante o curso. É raríssimo você ter, durante o curso, algum aluno reprovado, isso tanto nas mais novas como nas tradicionais”, acrescentou.

"B" em todas as questões: Alunos da Unicamp decidem boicotar exame do Cremesp

Além de colocar os pacientes em risco, Bonamigo destaca que os médicos malformados sobrecarregam o sistema público de saúde e desperdiçam recursos. “Esses médicos malformados geralmente têm dificuldade em fazer um diagnóstico correto com as ferramentas mais importantes que a gente tem, que são a história clínica e o exame físico do paciente. Solicitam muitos exames e sobrecarregam o sistema de saúde. E, mesmo com o resultado, não sabem dar o andamento correto. Um risco social de saúde e um risco de gestão do sistema. Médicos caros e poucos eficientes”, disse.

O Ministério da Educação informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que desconhece as bases das provas que serviram para a avaliação dos estudantes no Cresmep. “Não cabe portanto, neste momento, nenhuma consideração a respeito”.

O MEC ressaltou que, em relação às deficiências das faculdades de medicina do estado de São Paulo, assim como no resto do país, mantém uma constante avaliação dentro do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior. “O ciclo de avaliação do ensino superior é de três anos. As escolas de medicina que estão abaixo da média 3, no CPC (Conceito Preliminar de Curso) ou no IGC (Índice Geral de Cursos), deverão ser reavaliadas no ano que vem. Se mantiverem a mesma avaliação serão sancionadas. Além do processo de supervisão, poderão ter suspenso seu processo de seleção”, disse em nota.

    Leia tudo sobre: CremespMECEnsino SuperiorMedicina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG