Estudantes e professores protestam contra nomeação de professora Anna Cintra para o cargo e, a despeito de posse da reitora, greve de alunos e professores continua

Apesar da posse da nova reitora, a professora Anna Cintra, no último dia 30 de novembro, a greve de estudantes e professores na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), deflagrada no último dia 13, segue até, pelo menos, 12 de dezembro, data em que será realizada uma reunião do Conselho Universitário (Consun) da instituição.

Estudantes impedem chegada de nova reitora da PUC, Anna Cintra, à reitoria da universidade, no dia 30. Apesar dos protestos, a docente tomou posse normalmente
Alice Vergueiro / Futura Press
Estudantes impedem chegada de nova reitora da PUC, Anna Cintra, à reitoria da universidade, no dia 30. Apesar dos protestos, a docente tomou posse normalmente

Os estudantes protestam, com o apoio dos docentes, contra a nomeação de Anna Cintra - agora já empossada – para o cargo de reitora. Cintra ficou em terceiro lugar nas eleições diretas para o cargo, mas foi nomeada pelo cardeal arcebispo de São Paulo, Dom Odilio Scherer, responsável por referendar os reitores ao cargo.

Mais sobre a greve:  Após ocupação da reitoria, estudantes da PUC-SP fazem greve
Alunos lançam manifesto contra greve na PUC-SP
Professores aderem à greve e paralisação prossegue na PUC, em São Paulo
Conselho Universitário da PUC tenta impedir posse de nova reitora

Na reunião do Consun realizada no dia último dia 28, representantes do Conselho chegaram a suspender a homologação da lista tríplice e nomearam, de forma interina, o professor Marcos Masseto, como reitor da universidade, até a reunião marcada para o dia 12 - quando Anna Cintra deveria apresentar sua defesa sobre um recurso dos estudantes contra a eleição. A medida, entretanto, foi inócua já que, no dia seguinte, Dom Odilio reafirmou a legalidade da nomeação da reitora, que, de fato, aconteceu no dia 30.

Nesta data, os alunos grevistas impediram sua entrada na reitoria da universidade e a cerimônia de posse, marcada para aquele dia, não chegou a ser realizada. No entanto, a Fundação São Paulo, entidade mantenedora da PUC, afirma que a professora assumiu, normalmente, o cargo para o quadriênio 2012-2016, e que sua gestão já começou.

Em nota, a reitoria da PUC-SP afirma que "a reitora Anna Cintra e sua equipe seguem despachando de outras unidades da Universidade enquanto houver manifestações hostis em frente ao prédio da reitoria. Reforça, ainda, que as frentes de diálogo para discutir as solicitações e propostas de professores, alunos e funcionários para a gestão 2012-2016 estão abertas".

"A PUC-SP respeita o debate de ideias. No entanto, tem a responsabilidade de zelar pela integridade de seus professores, alunos e funcionários, e também de seu patrimônio. A universidade está no período de avaliações acadêmicas e de finalização de processos administrativos do ano letivo. Eventuais paralisações tendem a prejudicar os alunos e a toda comunidade universitária", completa a nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.