Obras de Paulo Freire, Cecília Meireles e Darcy Ribeiro serão reeditadas. Anúncio foi feito durante evento realizado no Palácio Tiradentes, no Rio de Janeiro

Comemorando o 80º Aniversário do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, celebrado nesta terça-feira, 4, no Palácio Tiradentes, no Rio de Janeiro, no evento O Manifesto dos Pioneiros da Educação e sua Atualidade na Política Educacional no Brasil, o ministro Aloizio Mercadante anunciou a republicação, pelo MEC, de um conjunto de obras de grandes educadores e pensadores brasileiros, entre eles, Paulo Freire, Cecília Meireles, Fernando Azevedo e Darcy Ribeiro.

Ministro Mercadante propõe o resgate do espírito do manifesto assinado nos anos 30 por grandes educadores brasileiros, durante evento no Palácio Tiradentes, no Rio
Gabriel Telles / MEC
Ministro Mercadante propõe o resgate do espírito do manifesto assinado nos anos 30 por grandes educadores brasileiros, durante evento no Palácio Tiradentes, no Rio

O evento foi organizado pelo Fórum de Desenvolvimento Estratégico do Estado do Rio de Janeiro e pela Associação Brasileira de Educação (ABE), com o apoio do MEC, e teve por objetivo do evento revalidar, em uma carta-compromisso, os princípios registrados no documento do manifesto, assinado em 1932, promovendo um novo acordo pela educação e pela inovação.

Durante a cerimônia, Mercadante destacou a importância do cenário histórico em que o Manifesto dos Pioneiros esteve inserido. “O Manifesto dos Pioneiros nasceu em um momento histórico de grandes transformações no Brasil. Nos anos 20, a cultura já antecipava as mudanças que viriam. A Semana de Arte Moderna e o manifesto antropofágico colocavam na agenda nacional uma identidade própria da nossa cultura. Era uma ruptura muito importante”, lembrou o ministro.

De acordo com Mercadante, o projeto educacional proposto no documento da década de 30 segue atual. O Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova foi redigido por 26 educadores, intelectuais e líderes da sociedade civil da época. O documento defendia reconstrução da educação nacional - atribuindo ao Estado papel central na condução das políticas públicas para o setor – e propunha a implantação de uma escola única, com educação em tempo integral para todos, bem como a e criação urgente de universidades gratuitas.

Leia mais: Fundação Estudar recebe inscrições para bolsas até março de 2013

“Queremos buscar exatamente este espírito do manifesto, que é o debate da educação, como debate essencial para o país. O que nós queremos ser como sociedade? Como povo? Como nação? A educação tem papel decisivo e continua sendo nosso maior desafio histórico: ter uma educação universal, republicana, que dê oportunidades iguais para todos”, salientou o ministro da Educação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.