Lei de Cotas pode melhorar qualidade da escola pública, avaliam especialistas

Para professores e profissionais em educação, composição social de universidades e institutos de ensino superior também devem ter alterações com implementação da lei

Agência Brasil |

Agência Brasil

A implementação da Lei de Cotas pode mudar de maneira radical a composição social da escola pública brasileira - principalmente no ensino médio - e influenciar também na melhoria da qualidade do ensino na rede pública. Na avaliação do coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, “as cotas colocam a escola pública no centro do debate”.

“Acredito que em dois ou três anos já veremos um aumento no número de matrículas das elites ricas nas escolas públicas”, diz.

Pela Lei de Cotas, regulamentada em outubro (por meio do Decreto nº 7.824), 50% das vagas em universidades e institutos federais serão destinadas a alunos que tenham cursado todo o ensino médio em escolas públicas. As seleções de ingresso já garantem para o próximo ano 12,5% das vagas aos estudantes da rede pública. A Lei, que tem implementação gradual, terá validade até 2022 e também abarca critérios como renda familiar e raça.

UnB: “Vamos entrar nas cotas já em déficit com a assistência”, afirma novo reitor

Dalila Oliveira, professora de políticas públicas em educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), acredita que ainda é cedo para apontar os impactos que as cotas terão na configuração da escola pública. De acordo com ela, são necessários pelo menos três anos para verificar a confirmação da tendência de mais matrículas por parte da população mais rica. Caso isso ocorra, ela avalia que a qualidade do ensino nas unidades públicas pode dar um salto de qualidade.

“Por enquanto, é apenas especulação, mas caso a tendência se confirme, será um movimento favorável”, avalia. “Afinal, pais mais escolarizados, com mais tempo, disposição e condições materiais para acompanhar o desenvolvimento dos filhos e participar da gestão escolar podem influenciar positivamente na escola”, completa.

Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, na última quarta-feira, 28, os Dados da Síntese de Indicadores Sociais: Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira 2012. Segundo as estatísticas, 8,6% dos estudantes do ensino médio matriculados nas escolas da rede pública são de famílias cuja renda per capita se situa na faixa dos 20% mais ricos do país. Por outro lado, apenas 3,8% dos estudantes de famílias pobres estudam em escolas particulares - na rede privada, 53,2% dos estudantes do ensino médio pertencem à faixa de renda mais rica.

Daniel Cara, avalia que, além do sistema de cotas, a implementação do Plano Nacional da Educação (PNE), que tramita no Senado Federal, também influenciará na mudança do perfil socioeconômico das matrículas na escola pública. “Em dez anos a gente deve mudar as características da educação pública e a tendência é expandir a matrícula nessa rede”, aposta.

Em São Paulo: Programa da Unicamp inspira proposta de cotas nas estaduais paulistas

O PNE estabelece 20 metas educacionais que o país deverá atingir no prazo de dez anos. A principal delas é a que prevê um patamar mínimo de investimento em educação, a aplicação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB). Atualmente, os valores de investimento total em educação, em relação ao PIB, passaram de 5,8% para 6,1%, de 2010 para 2011. O investimento direto em educação em relação ao PIB subiu de 5,1% para 5,3% no mesmo período.

A professora Dalila Oliveira, que também é presidenta da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, avalia que a convivência no ambiente escolar entre crianças e adolescentes de diferentes classes sociais é enriquecedora, mas destaca a necessidade de o país continuar avançando na redução das desigualdades sociais.

Professor da Universidade de São Paulo (USP), o doutor em educação Rubens Barbosa acredita que as famílias não vão abrir mão do ensino privado, caso tenham condição financeira suficiente. Para ele, as cotas terão outro desdobramento na escola pública.

Leia mais: MEC divulga novas diretrizes para adequar Sisu à Lei de Cotas

“Quem pode pagar, vai continuar pagando porque (o ensino privado) faz parte de uma opção familiar. Eu acho que o efeito mais significativo das cotas na escola pública será o estímulo a estudantes negros que, antes, sem perspectiva de acesso ao ensino superior, nem concluíam o ensino médio. Agora, muitos vão se esforçar para conseguir chegar ao fim porque sabem que têm mais chances de entrar na universidade”, avaliou.

Para ele, as cotas garantem uma “inclusão inédita, com resgate de déficits culturais e históricos” no país.

    Leia tudo sobre: Lei de Cotas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG