Cristovam Buarque defende aplicação dos recursos do pré-sal em educação

Senador voltou a afirmar, em pronunciamento nesta segunda-feira, 12, que recursos do pré-sal "pertence às crianças", defendendo que sejam distribuídos a estados e municípios proporcionalmente ao número de crianças na escola

Agência Senado |

Agência Senado

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF), afirmou, em pronunciamento no Senado, nesta segunda-feira, 12, que espera que os recursos dos royalties do petróleo da camada pré-sal possam ser investidos na educação.

“O pré-sal pertence às crianças, não pertence a nós adultos”, afirmou, lembrando do projeto que apresentou com o ex-senador Tasso Jereissati na legislatura passada, que direcionava os recursos do pré-sal para um fundo com rentabilidade permanente cuja renda seria destinada à educação.

Leia mais: Governo vai decidir sobre projeto dos royalties 'com calma', diz Carvalho

O senador propôs que os recursos do pré-sal sejam distribuídos a estados e municípios proporcionalmente ao número de crianças na escola. Tal medida beneficiaria o Rio de Janeiro, segundo estado com maior população estudante, ressaltou o senador.

PNE: Por royalties, Mercadante vai procurar senadores, prefeitos e governadores

Responsabilidade

O parlamentar se mostrou satisfeito com a aceitação de seu projeto de lei que obriga os pais ou responsáveis a comparecerem à escola de seus filhos pelo menos duas vezes por mês com o intuito de acompanhar o desempenho deles. Para ele, os senadores que examinam a matéria estão de acordo com o projeto, discordando apenas da proposta de punição aos pais que não comparecerem.

Economia

Cristovam Buarque citou artigo do professor Vinícius Torres Freire, publicado na edição de domingo, 11, do jornal Folha de S. Paulo, com críticas ao governo federal por ter colocado a educação em segundo plano nas medidas de recuperação da economia e denunciando a insustentabilidade de um modelo econômico cada vez mais dependente de bens primários.

“E olhe que o estudo não mostra o que a indústria de fato cria. Se colocasse o que é criado aqui, acho que nem primário seríamos, mas um país zerado em vez de primário”, disse o senador.

    Leia tudo sobre: PNECâmara dos DeputadosSenadoRoyaltiesPré-Sal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG