Feira de ciências apresenta pesquisas de modo divertido

Em evento da USP, que começou nesta terça-feira (16) e vai até sábado (20), o desafio é ensinar conceitos científicos complexos de um jeito divertido

Agência Estado |

Agência Estado

A feira de ciências da Universidade de São Paulo (USP) acontece no Parque de Ciência e Tecnologia (CienTec), na zona sul de São Paulo. O evento faz parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia e tem atividades educativas programadas para todo o País. 

Institutos da universidade montaram stands onde apresentam experiências e demonstram conhecimentos de assuntos que abrangem desde a ciência da computação à psicologia.

Uma das atrações mais concorridas é uma gaiola metálica na qual os visitantes ficam protegidos de raios estrondosos produzidos no exterior da estrutura. "As pessoas são atraídas pelo efeito visual e sonoro. Querem ter a adrenalina de ficar no meio dos raios", diz o monitor Rafael Carlin, de 21 anos, que está no terceiro ano de Física na USP.

Ele acrescenta que é papel dos educadores aproveitar a curiosidade do público para explicar o porquê daquele fenômeno e despertar neles o interesse pela ciência envolvida no processo.

Outra atração popular é o stand do Instituto Biológico, que apresenta insetos curiosos como a barata de Madagáscar, maior espécie do mundo, e o bicho da seda em todas as fases da vida. Periodicamente, monitores organizam corridas de baratas e oferecem ao público a possibilidade de tocar os bichos.

A feira também é uma maneira de se entrar em contato com profissões menos conhecidas, como a meteorologia e a geociência, por exemplo. "As pessoas vivem falando do tempo, se está sol ou se chove. Tudo isso é meteorologia, mas ninguém se dá conta", diz o monitor Leonardo Gilly, de 19 anos.

Para a diretora do Museu de Ciências da USP, Marina Mitiyo Yamamoto, o principal objetivo é sensibilizar o público sobre a importância da ciência. "É preciso tirar o véu de que a ciência é chata. Ela pode ser boa e interessante. A feira aguça a curiosidade e desperta o espírito de investigação."

Ela acrescenta que o cientista de amanhã é a criança curiosa de hoje. "Queremos mostrar que tudo é possível e que a ciência não é privilégio de alguns." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG