Diretor da escola invadida por atirador em Realengo anuncia aposentadoria

Luís Marduk está há quatro anos na função e há 30 anos na instituição de ensino

Agência Brasil |

Agência Brasil

A aposentadoria está programada para 2013 e a sensação é de dever cumprido. Assim, o diretor da Escola Municipal Tasso da Silveira, Luís Marduk, de 57 anos, há quatro anos na função e há 30 na escola, começa a se despedir. Por causa da tragédia que vitimou 12 alunos no colégio, em Realengo, zona oeste do Rio, vítimas de um atirador, ele adiou a aposentadoria para o próximo ano.

Leia também:  Um ano depois, escola tenta superar marcas do massacre

George Magaraia
Há 30 anos na Escola Municipal Tasso da Silveira, o diretor Luís Marduk vai se aposentar

Em comemoração pelo Dia do Professor, celebrado nesta segunda-feira (15), Luís Marduk fez uma pausa para falar com a Agência Brasil. Ele liderou o esforço de recuperação do colégio e revela como tem trabalhado para superar o trauma. “Nossa relação é mais que profissional, é de confiança. Foi isso que norteou nossa resistência”.

Relembre o massacre de Realengo

Passada a tragédia, o medo era que os alunos e professores abandonassem o colégio e que a Tasso da Silveira ficasse manchada na comunidade. O que ocorreu, no entanto, foi o contrário. “Professores aposentados, de licença, todos vieram nos ajudar. Em uma situação de emergência, toda oferta era bem-vinda”. Para Marduk, a coesão que existia ante da tragédia fez a diferença.

A mesma opinião tem a professora Vanessa Duarte, da 1ª à 4ª série, há 11 anos no colégio. “A escola já era muito boa antes e isso favoreceu”. Também contribuiu o tratamento psicológico que muitos profissionais ainda recebem. Nos meses seguintes ao incidente, uma equipe especializada em neuropscologia desembarcou de Recife para tratar o corpo docente.

Confira:  No mesmo ano da tragédia em Realengo, escola cresce quase 30% no Ideb

A reforma total das instalações foi outro marco. Apesar de conviver com meses de barulho e poeira, o professor de História Jorge Willian da Costa Lino disse que a mudança foi fundamental para enterrar as lembranças do episódio. A sala de aula atacada teve parede derrubada e deu lugar a uma passagem para o prédio anexo, com sala de informática, laboratório de ciências e auditório.

George Magaraia
A primeira sala visitada por Wellington deu lugar a banheiro e corredor que faz ligação ao prédio anexo

As demais salas receberam novos armários, quadros, murais, instalação para projetores e aparelhos de ar condicionado. “A tragédia foi gigantesca, entendíamos que a reforma era necessária para amenizar o problema e ajudar a comunidade a não perder o amor pela escola”, disse Vanessa. “Na verdade, a gente conseguiu resgatar uma história que tem há anos”, completou Jorge.

Leia as notícias do massacre em Realengo

Os professores não receberam capacitação extra, mas a visibilidade do colégio na mídia e a atenção dada tanto pela Secretaria Municipal de Educação, tanto por pessoas famosas como artistas e jogadores de futebol, deu fôlego. Porém, o mais importante, lembram, “é a união e o sentimento de pertencimento”, diz Jorge. “A direção sempre fez um bom trabalho”, acrescentou Vanessa.

A Tasso da Silveira tem 1,1 mil alunos e está lotada. Continua sendo referência no bairro de Realengo. “Nosso grande desafio e preocupação é sustentar a qualidade depois desse terrível incidente. Vou deixar como um legado importante. Saio desse desafio muito orgulhoso de minha equipe e de nossa superação”, declarou Luís Marduk.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG