Alunos do ITA desenvolvem aplicativos para ajudar crianças com dislexia

Projeto nasceu de parceria com instituto que promove ações para auxiliar pessoas com transtornos de aprendizagem

Camilo Gomide - iG São Paulo |

Convidados pelo instituto ABCD, alunos do Instituto Tecnológico de Aeronáutica criaram jogos para tablets e smartphones para ajudar crianças e jovens com dislexia a ler e escrever. Os aplicativos, disponíveis para o sistema operacional Android, já podem ser baixados gratuitamente na Android Market.

Software britânico ajuda crianças com discalculia a aprender matemática

Luís França
Alunos do projeto vencedor, Aramumo, Patrice de Camaret e Mônica Weinstein, fundador e diretora presidente do fundador do Instituto ABCD, respectivamente

A ideia é, com o tempo, aprimorar os aplicativos e torná-los programas para plataformas da Apple e de PCs. “O desafio é fazer com que esses instrumentos sejam disponíveis para todos”, diz Mônica Weinstein, diretora presidente do Instituto ABCD, em evento que faz parte da Semana da Dislexia e premiou o melhor dos projetos, nesta quarta-feira, 10 de outubro.

Para desenvolver os games os estudantes do ITA foram orientados por uma equipe de fonoaudiólogos e neuropsicólogos do instituto. O jogo vencedor, batizado de Aramumo, é uma espécie de palavra cruzada na qual o jogador, depois de ouvir pronunciada a sílaba, deve procurar sua forma escrita representada em uma das diversas bolhas espalhadas pela tela.

Dislexia

As pesquisas na área indicam que pessoas com o transtorno apresentam um funcionamento cerebral diferente. “As regiões relacionadas à linguagem e ao processamento fonológico (a capacidade de discernir sons das letras) são menos estimuladas do que as de pessoas sem dislexia”, explica a neuropsicóloga da Unifesp, Carolina Toledo Piza. Por conta disso é comum entre os disléxicos fazer trocas ortográficas (confundir o “p” com o “b”, por exemplo) e ter dificuldades para a leitura. O que não significa que eles tenham déficit intelectual.

Enem: Estudantes surdos e disléxicos ganharão mais tempo para fazer o Enem

Luís França
No jogo vencedor, Aramumo, a criança escuta a palavra e deve encaixar as sílabas certas para formá-la

    Leia tudo sobre: DislexiaAplicativoITA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG