Imigrantes pressionam por aulas de português em escolas suíças

Grupos de pais de famílias portuguesas, apoiados por brasileiras lançaram petição para que língua seja incluída no currículo em Genebra

Agência Estado |

Agência Estado

A Suíça já conta com quatro línguas oficiais e o ensino do inglês é obrigatório. Agora, as escolas primárias públicas do país poderão ganhar um novo curso: o de português. Uma petição foi lançada por grupos de pais de famílias portuguesas, apoiados por brasileiras, para que um referendo seja realizado para que o ensino do idioma lusitano seja adotado nessas escolas.

Nos EUA: Universidades adotam ações para melhorar sotaque de estrangeiros

O assunto se transformou em promessa de campanha de candidatos à prefeitura de Genebra que, agora, são cobrados a implementá-la. Se for aprovada em votação popular, a iniciativa obrigará o oferecimento gratuito de cursos de português aos alunos de todas as escolas do cantão de Genebra, como matéria opcional.

Para a Associação de Pais de Alunos de Origem Portuguesa, a medida é uma "necessidade". "Dez por cento dos alunos que estão matriculados em escolas são lusófonos e têm o direito de manter sua língua", diz Carla Rocha, presidente da associação, que conta com o apoio de várias entidades, incluindo algumas que se especializam no "português brasileiro".

Segundo ela, os pais desses alunos têm até 15 de novembro para coletar assinaturas suficientes para que o governo realize um referendo. Pelas leis da Suíça, qualquer grupo da sociedade civil pode lançar uma iniciativa que, se coletar apoio suficiente, transforma-se em votação para toda a cidade.

Mas nem todos estão de acordo. Para Carlos Medeiros, conselheiro municipal da cidade e de origem portuguesa, a exigência de que o Estado suíço pague por essa conta "não se justifica". "Então vamos ter de oferecer albanês, kosovar e sérvio", alertou Medeiros, indicando para a presença de outras nacionalidades de peso na região. "Não podemos permitir que comunidades se fechem", completou o conselheiro, lembrando que 45% da população de Genebra é de estrangeiros. Sua avaliação é de que a Suíça deve oferecer como cursos obrigatórios apenas as línguas oficiais do país - francês, alemão e italiano.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Leia tudo sobre: Suíçalíngua portuguesaensino de idioma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG